sexta, 25 de setembro de 2020

Cidades aprovam modelo de privatização da Cedae

Modelo foi aprovado em encontro com representantes de municípios. Foto: Luciana Carneiro/Ascom Niterói

O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão, Axel Grael, participou nesta terça-feira (12) da reunião do Conselho Deliberativo da Região Metropolitana, no Palácio Guanabara, sede do governo estadual, representando o prefeito Rodrigo Neves. O encontro, que foi presidido pelo governador Wilson Witzel, discutiu o modelo de privatização da Cedae.

Por 17 votos a 2, os membros do conselho aprovaram a proposta do governo de privatizar a distribuição de água e a coleta de esgoto. A Cedae continuará responsável pela captação e tratamento da água, que será vendida aos futuros concessionários.

O modelo de privatização foi formatado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ainda será detalhado e discutido em audiências públicas.

Axel Grael votou favoravelmente à proposta, mas ressaltou que Niterói manterá o contrato que tem atualmente com a concessionária Águas de Niterói, que distribui água potável, além de coletar e tratar o esgotamento sanitário na cidade.

“O modelo distribuição de água e coleta de esgoto apresentado é interessante. O modelo atual é o mesmo há décadas e avançamos muito pouco na área de saneamento. O novo formato, com parceria com a iniciativa privada, nos dá uma perspectiva de avanço no saneamento na bacia da Baia de Guanabara como não se viu antes”, disse Axel Grael, que é ambientalista.

Pelo modelo proposto, os 64 municípios hoje atendidos pela Cedae serão divididos em quatro blocos de concessão e cada município terá participação na arrecadação das concessionárias. O governo estima arrecadar R$ 11,5 bilhões com a privatização da Cedae que deve acontecer até o final do ano, como prevê o governador.

O Conselho Deliberativo da Região Metropolitana foi criado em setembro do ano passado para decidir assuntos em comum entre os municípios e o Estado, entre eles, mobilidade urbana, saneamento básico e o ordenamento territorial da metrópole.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *