quarta, 25 de novembro de 2020

Casos de dengue aumentam 45% no Rio

Vistoria e limpeza de caixas d’água estão entre as medidas sugeridas por especialista.
Foto: Agência Brasil

O número de casos de dengue, nos meses de janeiro e fevereiro, no município do Rio, aumentaram em 45%, comparado aos dois primeiros meses de 2018. No ano passado, no mesmo período, foram confirmados 689 casos da doença. Neste ano, já são 1.000 casos. O aumento preocupa autoridades em saúde, que fazem um apelo à população para ajudar, cuidando de suas casas e de seus quintais, evitando deixar água parada, criadouro para o mosquito Aedes aegypti.

Para chamar a atenção da população para o combate ao mosquito, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio promoveu, neste sábado (16), o Dia D Estadual de Combate ao Mosquito Aedes aegypti. A ação foi realizada na Praça do Patriarca, no bairro de Madureira, zona norte, e contou com as equipes de saúde do município e do estado. No local foi montada uma tenda, onde as pessoas receberam informações sobre doença e sobre chikungunya e zika. Também ocorreram atividade de promoção de saúde e distribuição de material informativo para a população.

“O Dia D da dengue e de combate às arboviroses tem o objetivo de dar visibilidade a uma questão que tem importância vital à saúde pública. Precisamos de ação unindo população e que os governos trabalhem juntos, atuando nos focos de presença do mosquito, que é a única forma efetiva de prevenção contra essas doenças”, disse Rafael Pinheiro, coordenador em Vigilância Ambiental em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

Pinheiro chamou atenção para a importância de mobilização coletiva, além da ação pessoal de cada um, pois não adianta alguns moradores adotarem cuidados contra a proliferação do mosquito, se os demais vizinhos não fizerem o mesmo.

“No ambiente saudável os mosquitos não se criam, não tem lixo, pneu ou caixa d´água destampada. Isso é uma ação coletiva. Pois se você cuidar do seu quintal e o seu vizinho não, o mosquito vai se reproduzir lá. É trabalho de uma sociedade inteira”, destacou Rafael.

Só no município do Rio cerca de dois mil agentes atuam diretamente na prevenção da dengue e de outras doenças transmitidas por mosquitos. Segundo o coordenador em Vigilância Ambiental, a região da capital onde se verificam mais casos de infestação de mosquitos transmissores é a zona oeste, principalmente nos bairros de Santa Cruz e Campo Grande e suas adjacências.

Historicamente, os casos de dengue aumentam no Rio nos meses de março, abril e maio, que são chuvosos e ainda registram temperaturas altas, propícias à proliferação dos mosquitos. Em todo o ano passado, foram 5.501 casos de dengue, número que poderá ser bem maior este ano, com base na tendência estatística até o momento.

Fonte: Agência Brasil.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *