segunda, 17 de maio de 2021

Observatório da Covid-19 aponta queda de casos e mortes no país

Boletim da Fiocruz destaca, porém, que níveis continuam críticos. Foto: Marcelo Tavares

O boletim extraordinário do Observatório Covid-19, divulgado nesta quarta-feira (28) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta queda no número de casos e de óbitos e redução das taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 para adultos.

No entanto, os níveis permanecem em patamares críticos, e a taxa de letalidade preocupa. Os dados comparativos mostram que, no fim do ano passado, esse indicador em 2%, mas aumentou para 3% na Semana Epidemiológica 11 (14 a 20 de março) e, na última semana, subiu para 4,4%. A análise do boletim é referente à Semana Epidemiológica 15, período entre 18 e 24 de abril.

Segundo o boletim, o número de casos confirmados diminuiu à taxa de 1,5 % ao dia, enquanto o de óbitos pela doença caiu 1,8 % ao dia, “mostrando tendência de ligeira queda, mas ainda não de contenção, da epidemia”.

Quanto à taxa de ocupação de leitos, chamam a atenção a queda nos estados de Rondônia (de 94% para 85%) e do Acre (de 94% para 83%), ainda que ambos continuem na zona de alerta crítico; a passagem de Alagoas da zona de alerta crítico para a de alerta intermediário (de 83% para 76%); e a saída da Paraíba da zona de alerta (de 63% para 53%).

De acordo com os pesquisadores do Observatório Covid-19, o quadro atual pode representar uma desaceleração da pandemia, com a formação de um novo patamar, como o ocorrido em meados de 2020, porém com números muito mais elevados de casos graves e de óbitos, que revelam a intensa circulação do vírus no país. “Esse conjunto de indicadores, que vêm sendo monitorados pelo Observatório Covid-19 Fiocruz, mostram que a pandemia pode permanecer em níveis críticos ao longo das próximas semanas.”

Diante desse cenário, os responsáveis pelo estudo alertam que a flexibilização sem um controle rigoroso das medidas de distanciamento físico e social pode retomar o ritmo de aceleração da transmissão, com a “produção” de novos casos, vários deles graves, e elevação das internações e taxas de ocupação de leitos.

“A integração entre atenção primária à saúde e a vigilância em saúde deve ser intensificada para otimizar os processos de triagem de casos graves, seu encaminhamento para serviços de saúde mais complexos, bem como a identificação e aconselhamento de contatos para medidas de proteção e quarentena. Além disso, a reorganização e ampliação da estratégia de testagem é essencial para evitar novos casos, bem como reduzir a pressão sobre os serviços hospitalares”, acrescentam os pesquisadores.

Maricá

Maricá registra, até esta quarta-feira (28), 13.015 casos confirmados e 332 óbitos por Covid-19. Os óbitos deste boletim são de 14 homens com idades entre 96 e 39 anos que moravam em Itaipuaçu, Caxito, Flamengo, São José do Imbassaí, Ponta Negra, Centro, Araçatiba, Mumbuca, Parque Nanci, Inoã, Boqueirão e Jacaroá; além de oito mulheres de 54 a 85 anos que residiam em Cordeirinho, Centro, São José do Imbassaí, Itaipuaçu, Ponta Negra e Inoã.

É importante frisar que esses óbitos são referentes ao período de 12 a 25 de abril. Esse indicador reforça a necessidade das pessoas manterem os cuidados necessários e respeitarem os protocolos sanitários. Estão curadas da doença 12.505 pessoas e há no momento 178 casos ativos, além de 10 óbitos em análise pela Secretaria de Estado de Saúde.

A taxa média semanal de ocupação de leitos para atendimento a pacientes com Covid-19, no período de 21 a 27 de abril compreendendo os hospitais Conde Modesto Leal e Dr. Ernesto Che Guevara, além da UPA de Inoã, foi de 42,07%, sendo 26,47% de pacientes de outros municípios. Na semana anterior a taxa de ocupação era de 52,17%, sendo 20,71% de pacientes de outros municípios.

São Gonçalo

De acordo com o boletim atualizado da Secretaria Municipal de Saúde, a cidade de São Gonçalo confirmou 10 óbitos em decorrência do novo coronavírus (covid-19) nesta quarta-feira (28), chegando a 1.934 no total. As mortes ocorreram entre os dias 7 e 18 de abril. 

Até o momento, São Gonçalo contabiliza 70.708 casos confirmados, 68.107 curados, 102 hospitalizados na Rede Pública Municipal de Saúde, 565 em quarentena domiciliar, 82 óbitos em investigação e 1.934 óbitos confirmados.
Os óbitos lançados no boletim de hoje são de datas retroativas, devido ao processo de investigação feito pela Divisão de Vigilância Epidemiológica, com base nos resultados dos testes realizados pelos pacientes.

Itaboraí

A Secretaria Municipal de Saúde de Itaboraí informa que a cidade se encontra na bandeira vermelha, risco alto de contágio de Covid-19, tendo registrado até esta quarta-feira (28), 44.365 notificações.

Foram confirmados 12.885 casos positivos de Covid-19, se encontram ainda em investigação 148. O município também já descartou 9.317 casos prováveis, mas, ainda sim, 615 óbitos foram registrados.

Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelho (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).

Com Agência Brasil

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');