terça, 27 de outubro de 2020

Aglomeração em busca de cesta básica em Niterói

Dezenas de pessoas enfrentaram fila para conseguir uma cesta básica. Foto: Pedro Conforte

Filas com dezenas de pessoas – fugindo das recomendações de distanciamento social – se formaram neste sábado (16) em pelo menos dois Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), em Niterói. As pessoas tentavam uma ajuda do governo municipal, que convocou quem não se habilitou em nenhum programa social para receber uma cesta básica. No entanto, a população relatou que enfrentou dificuldades.

“Estou aqui desde às 10 horas! Estou grávida de 5 meses e estou na fila, em pé, junto com todos. Passei mal, tive que ser acudida e me levaram para o ponto de ônibus do outro lado da rua para sombra. Até agora [15h] não fomos atendidos. Só estou aqui porque preciso, estou desempregada”, desabafou Marcele Santos, de 19 anos, moradora do Cubango.

De acordo com uma funcionária do Cras do Cubango, trabalhadores de outras unidades foram convocados para atender a demanda, que foi maior que a esperada. No total, oito pessoas estavam trabalhando para realizar os cadastros. Ela esclareceu que a inscrição é necessária para verificar se a pessoa não foi enquadrada em outro benefício da prefeitura.

Um papel pregado no ponto de ônibus a alguns metros do Cras do Cubango, esclarecia quem não poderia ter acesso ao benefício.

“Não serão contempladas com a cesta básica famílias que já recebem algum benefício municipal, que seja servidor público, empegado público, contratado ou pessoa que mantenha qualquer outro vínculo com a prefeitura. Também não pode pensionista de servidor público com qualquer ente federativo”, dizia o cartaz.

O atendimento estava programado para ser feito até às 17h. Pouco antes das 16h um funcionário do Cras distribuiu senhas para pessoas nas filas, mas muitas ficaram sem, o que gerou uma revolta.

“Estou aqui desde cedo, eu preciso colocar comida na mesa da minha família, precisamos de pelo menos informações”, esbravejou um homem que aguardava na fila.

Desde às 10 horas, Sandriele recebeu a senha para ser atendida depois das 15 horas. Foto: Pedro Conforte

Segundo a funcionária, que preferiu não se identificar, quem recebesse a senha seria atendido neste sábado, já quem ficou de fora terá que se cadastrar para um atendimento posterior, que começará na próxima semana.

“Chegamos cedo, porque precisamos desse alimento! Eu tenho um filho de um ano. Falaram que ia abrir às 9 horas, mas o atendimento só começou depois das 10h, mesma hora que eu cheguei. Desde então estou no mesmo lugar da fila, ela não andou e já são 15h”, declarou Sandriele Alves, de 20 anos, também moradora do Cubango, que atualmente está desempregada.

Apesar da aglomeração, em nota – divulgada na noite deste sábado – a prefeitura de Niterói informou que ” agentes da secretaria orientaram os presentes para a manutenção da distância recomendada pelos protocolos de saúde”.

Além disso, o governo municipal esclareceu que ” agendou atendimentos para o decorrer da próxima semana. Todas as pessoas que estavam na fila foram atendidas ou orientadas para que voltem durante a semana, em dias e horários previamente marcados”.

Publicada às 16h30 – Atualizada às 20h56

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *