quarta, 02 de dezembro de 2020

Alerj debate ações para o enfrentamento da Covid-19 nas favelas

Plano propõe a implantação de Pólos de Atendimento Exclusivo para Covid-19 nas grandes favelas. Foto: Divulgação/Alerj

O presidente da Alerj, André Ceciliano, receberá pesquisadores e lideranças comunitárias na próxima segunda-feria (4) para a apresentação de um plano de ações para o enfrentamento da Covid-19 nas favelas.

O documento, formulado por moradores de favelas e acadêmicos, lista diversas ações de prevenção, atendimento médico e apoio social para evitar novos casos de coronavírus e reduzir o impacto da pandemia entre a população. A reunião, que acontecerá de forma virtual às 14h, foi articulada pela presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj, Renata Souza.

“As desigualdades sociais enfrentadas pelas favelas, como as dificuldades de acessos à saneamento básico e água, até às questões habitacionais e econômicas, se apresentam como entraves para uma quarentena e um isolamento social dignos. A favela faz a economia da cidade girar mesmo durante a pandemia. Muitos moradores desenvolvem trabalhos essenciais, seja na enfermagem, nos supermercados ou mesmo como entregadores delivery. Por isso, precisamos estabelecer um plano de combate a Covid-19 levando em conta as especificidades e a realidade dos moradores de favelas”, explica a deputada estadual Renata Souza.

O Plano está estruturado em três dimensões, que se desdobram em um conjunto de ações. Ao final, propõe-se a instalação de um Gabinete de Crise reunindo Estado, Município e sociedade civil, para a coordenação e implementação das ações.  

Entre as ações de prevenção está a veiculação de alertas para a população sobre os riscos da Covid-19 e a importância do uso de máscaras. Também foi proposta a desinfecção das favelas (como as que vêm sendo feitas pela prefeitura); o teleatendimento, para esclarecer as dúvidas dos moradores e a atenção a possíveis difusores, como mototaxistas.

Em relação ao atendimento médico, o plano propõe a implantação de Pólos de Atendimento Exclusivo para Covid-19 nas grandes favelas (com mais de 50 mil habitantes), nos moldes do que a Fiocruz está implantando em Manguinhos, na Zona Norte do Rio. A utilização dos prédios das escolas públicas ou de outros espaços públicos existentes nas favelas ou em seu entorno para a realização de quarentena assistida por indivíduos com sintomas da doença, mas que não precisam de internação hospitalar, também foi citado no documento.

As ações de coordenação e proteção social também incluem a articulação de apoio social e a agilização de sepultamentos. A reunião será exibida pelo página da TV Alerj no YouTube.

Publicada às 13h10

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *