domingo, 20 de setembro de 2020

Alerta para a linha da morte em ruas e rodovias do RJ

Risco é maior durante o período de férias. Foto: Divulgação
Risco é maior durante o período de férias. Foto: Divulgação

Os riscos do uso de cerol e linha chilena na soltura de pipas provocaram um alerta ainda maior após a morte do motociclista Victor de Melo Baptista, de 27 anos, vítima da linha cortante, quando passava pela Linha Amarela, na altura de Pilares, zona norte do Rio, no final do ano passado.

Por conta das férias, a probabilidade de brincadeiras envolvendo as ‘cafifas’, entre crianças e adolescentes, aumenta – na maioria das vezes em áreas localizadas às margens das rodovias. Dessa maneira, a fiscalização sobre a diversão que pode terminar em tragédia é necessária.

A concessionária Lamsa, responsável pela administração da Linha Amarela, afirmou que entre os anos de 2010 e 2018 houve redução de 49% nos casos de vítimas em acidentes de trânsito, na rodovia, e que como resultado a uma política de investimentos em tecnologia e manutenção adotada pela empresa, as estatísticas também revelam uma queda de 65% no número de acidentes, com e sem vítimas, também entre 2010 e 2018.

Morte

O uso do material altamente cortante tirou a vida do motociclista no acidente que aconteceu cerca de cinco meses após a aprovação da Lei 8.478/2019, regulamentando a proibição da utilização de qualquer produto com substâncias cortantes, na prática de soltar pipa.

A infração está sujeita à multa de R$ 342,11 para quem for flagrado comprando, portando ou usando esses tipos de materiais.

Pela lei, se o infrator for menor, ele e seu representante legal devem ser notificados para efetuarem a quitação em âmbito administrativo.

Procurada, a concessionária Lamsa informa que realiza uma série de campanhas por mais segurança no trânsito anualmente. Sobretudo para motociclistas, tendo essas resoluções reforçadas no ‘Maio Amarelo’ e na Semana Nacional de Trânsito, em setembro, no conjunto de iniciativas nacionais para redução de acidentes em ruas e estradas.

Além disso, a empresa disse que realiza campanhas educativas nas 23 comunidades no entorno da Linha Amarela, realçadas pelos projetos sociais patrocinados pela própria concessionária.

Conscientização

Responsável pela administração de parte da BR-101, a Autopista Fluminense também informa promover campanhas de conscientização para o não uso de cerol e linha chilena entre jovens e crianças.

Segundo a concessionária, as campanhas têm como objetivo conscientizar motociclistas e ciclistas para que se protejam e evitem acidentes com linhas de pipa com cerol. Para isso, a Autopista instala, gratuitamente, antenas anticerol nas motocicletas e bicicletas dos participantes.

Em 2019 foram instaladas mais de 500 antenas anticerol em motocicletas e bicicletas nas ações realizadas nas regiões de Niterói, Itaboraí, Rio Bonito e Campos dos Goytacazes.

Apreensões

De acordo com a Polícia Militar, o Comando de Polícia Ambiental (CPAm) tem realizado ações de combate à comercialização do produto conhecido como “linha chilena”. No ano de 2019, foram apreendidos 324 carretéis de linha, 32 frascos contendo o “cerol”, 200 frascos para armazenamento da substância e duas máquinas para fabricação de linha.

No dia 10 de janeiro deste ano, foi realizada a operação “Pipa Legal” para fiscalizar pontos onde ocorreriam comércio da substância cortante usada em pipas. A ação contou com todas as Unidades de Polícia Ambiental atuando em diferentes locais do Estado do Rio.

Segundo a PM, as equipes estiveram em 28 estabelecimentos, sendo apreendidos 2.650 carretéis de “linha chilena”, 1.040 frascos de cerol, 20 quilos de vidro moído, 10 quilos de cola e um carretel de linha com cerol, também foram conduzidas seis pessoas para delegacias.

No último dia 29, 12 carretéis de linha chilena foram apreendidos em Maricá. No ato, uma dupla acabou detida e conduzida para a delegacia da região (82ª DP). A apreensão foi realizada por policiais da base do Comando de Policiamento Ambiental (CPAM) da Polícia Militar da cidade.

Na ocasião, a PM informou que um grupo foi flagrado usando o material em pipas na Avenida Maysa, em Barra de Maricá. Eles foram abordados por uma patrulha da CPAM, mas parte dos integrantes conseguiu fugir, deixando o material no caminho.

Denuncie

O Programa Linha Verde recebe denúncias anônimas sobre linhas cortantes e demais crimes ambientais. As reclamações podem ser repassadas pelo telefone 0300 253 1177. De acordo com o programa, a linha chilena, composta por 14 moído e óxido de alumínio, chega a ser quatro vezes mais perigosa do que o cerol.

Dicas de segurança

  • Piloto e garupa devem sempre usar o capacete. 70% das mortes de motociclistas são por traumatismo craniano, informou a Autopista Fluminense.
  • É importante manter uma distância segura dos veículos.
  • Na rodovia, não trafegue nos corredores.
  • O capacete do motociclista deve ter adesivos refletivos; estar sempre bem afivelado; ter viseira ou óculos de proteção.
  • Jaquetas de proteção apropriadas, com cores claras e refletivas; calças de proteção e botas apropriadas, com solado resistente; luvas de proteção e antena anticerol.
  • A Arteris também lembra que é proibido usar a rodovia para práticas esportivas com motocicleta sem a autorização.
(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *