sábado, 26 de setembro de 2020

Casas de festas liberadas a partir de outubro em Niterói

Festa, casa de festas
Segue vedada a abertura da pista de danças e qualquer tipo de serviço de self-service. Foto: Klesio Abeu / Divulgação

A Prefeitura de Niterói autorizou a reabertura de casas de festas a partir do dia 1º de outubro, com 30% da capacidade se a cidade permanecer no estágio Amarelo 2 e 50% se passar para o Amarelo 1. O decreto, que também contém os protocolos para a reabertura, foi publicado sábado (5) no Diário Oficial.

O tempo de duração das festas deverá ser reduzido para no máximo quatro horas de duração e o intervalo entre as festas deverá aumentar para no mínimo três horas entre as mesmas de modo a permitir a higienização dos mobiliários, pisos, paredes e outros equipamentos.

Apesar de permitir a reabertura, segue vedada a abertura da pista de dança e qualquer tipo de serviço de self-service. Segundo o texto, os convidados receberão previamente uma cartilha com os protocolos que precisarão ser seguidos no dia da festa. Os anfitriões também devem sugerir listas ou compras online de presentes, em que os mesmos sejam entregues na residência do aniversariante. No caso de recebimento de presentes no local da festa, os mesmos serão acondicionados em local isolado, em sacos que devem ser higienizados.

A contratante ainda deverá fornecer previamente uma lista com nomes, telefones e município de residência dos convidados para controle na entrada e possível contato pós-evento, caso se faça necessário. Essa lista deverá ser guardada pela casa de festas durante 30 dias a contar da data da festa/evento.

No período de no máximo três dias antes do evento, a casa de festa deverá realizar rastreamento de convidados que estejam sintomáticos ou tenham contatos próximos positivos, recomendando ao contratante da festa que o convidado que esteja nessa condição seja vetado no evento, por questões de segurança sanitária. Este rastreamento poderá ser terceirizado e/ou compartilhado pela casa de festas inclusive com o contratante. Cabe à casa de festas garantir de forma contratual que o rastreamento tenha sido realizado anteriormente ao evento.

Os convidados ainda passarão por triagem, como aferição da temperatura com a utilização de termômetros sem contato. Se verificada temperatura superior de 37,2° ou apresentar de sintomas de gripe o cliente deverá ser orientado a buscar ajuda médica.

Também devem ficar disponíveis álcool 70% e/ou preparações antissépticas ou sanitizantes para os convidados, em locais estratégicos e de fácil acesso; além de tapetes sanitizantes ou similares, para higienização das solas dos sapatos dos convidados. A utilização de máscara é obrigatória. As máscaras só podem ser retiradas pelos convidados, exclusivamente nos momentos de alimentação enquanto estiverem sentados às mesas.

A desobediência aos comandos sujeitará ao infrator a aplicação das seguintes penas, sem prejuízo para as demais sanções civis e administrativas: advertência, apreensão, inutilização e/ou interdição, suspensão de venda e/ou de fabricação, cancelamento do registro, interdição parcial ou total, cancelamento de autorização para funcionamento, cancelamento do alvará de licenciamento, proibição de propaganda e/ou multa, conforme previsão do Código Sanitário Municipal.

Expectativa

Especialistas no setor revelam expectativa para a reabertura. Uma das proprietárias da casa de festas Zoom, em Piratininga, Kátia Mendes, explicou que os empresários do ramo vinham se reunindo com a prefeitura para se prepararem para a reabertura com segurança.

“Todas as casas de festas se juntaram para fazer uma pressão na prefeitura para a gente poder voltar. Estamos parados desde o dia 15 de março. Estávamos com muitas festas agendadas. Na Zoom, 95% das festas a gente conseguiu transferir para 2021. Foram poucos cancelamentos, os clientes foram muitos compreensivos. A gente estava em uma situação que não sabíamos quando poderíamos voltar”, contou.

Apesar de só poder funcionar com capacidade de 30% nesse primeiro momento, Kátia explicou que a reabertura é importante para que os clientes saibam que as casas de festas já podem funcionar.

“Desde o momento que o cliente não tem a expectativa de quando vai reabrir, como o cliente fecha uma festa? Não é uma coisa de imediato. Mas já temos uma boa expectativa. A gente espera conseguir superar isso. A gente vai cumprir tudo certinho para trazer confiança para o cliente. A partir de agora a gente vai começar a adequar a casa de festas dentro desse protocolo, com esperanças de que dias melhores virão”, explicou.

Taísa Kingston, de 28 anos, que faz bolos e doces para festas de aniversários e pequenos eventos, também está animada com a reabertura.

“Em relação à parte financeira, eu estou animada, pois o número de encomendas caiu muito durante a pandemia. E já estou preparada para seguir o protocolo, pois me adaptei ao ‘novo normal’. Porém, apesar de achar que vai melhorar, ainda assim não acredito que será como era antes da pandemia”, finalizou.

Adaptações

Para funcionar, é necessário que as casas de festas distribuam cartazes de orientação do uso de máscaras faciais obrigatória para todos os colaboradores e convidados. Também será necessária a demarcação do distanciamento interpessoal de no mínimo 1,5 metros em ambientes abertos e 2 metros em ambientes fechados.

Banheiros e lugares estratégicos como pias e próximos aos dispensers de álcool e banheiros devem ter com orientações de higienização das mãos.
Por isso, será necessário ser instalados dispensers com álcool 70% para higienização de mãos.

Na organização e disposição das mesas impreterivelmente deve se respeitar o distanciamento mínimo de dois metros em ambientes fechados, indicando sinalização que auxiliem na orientação dos convidados. Em especial atenção à disposição das mesas além da garantia do distanciamento de dois metros é importante a consideração de organização do posicionamento diagonal entre elas.

Na mesa será permitido sentar pessoas do mesmo núcleo familiar, ou seja, que morem juntos, respeitando o número máximo de oito pessoas por mesa.

Buffet infantil

O decreto ainda traz regras para no caso de buffet infantil, como o uso de máscaras para crianças maiores de três anos.

As atrações e brinquedos com interações entre os convidados, as quais não propiciem condições para manutenção do distanciamento social ou difícil higienização, devem permanecer fechadas.

Também é necessário reduzir em 50% a capacidade de assentos nas atrações (um assento sim e o outro não); considerando sempre a observância da obrigatoriedade das medidas de distanciamento interpessoal 1,5 metros em ambiente externos e 2 metros em ambiente interno.

Os salões precisam instalar marcação de piso nas filas para entrada nos brinquedos e deixar um monitor na entrada de cada brinquedo, a fim de garantir o distanciamento social e garantir a higienização das mãos com álcool 70%. Não é permitido atrações com personagens vivos, para evitar aglomerações.

O texto ainda determina manter as crianças, quando juntas, em um espaço controlado que possibilitará que elas participem de atividades lideradas por profissionais entre elas sem perdê-las de vista, mas mantendo o distanciamento necessário. Para cada grupo de oito crianças terá um profissional coordenando para manter o distanciamento interpessoal e a higienização constante das mãos das crianças.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *