segunda, 19 de outubro de 2020

Comerciantes de SG são convocados para reunião

Entidades empresariais solicitaram que o governo autorize vendas através do sistema “Drive Thru”, como forma de amenizar a crise nas empresas de médio e pequeno porte. Foto: Ascom SG – Divulgação

Entidades empresariais dos setores de comércio em geral e de serviços dos shoppings centers de São Gonçalo se reuniram na tarde desta terça-feira (19), com autoridades da prefeitura, solicitando que o governo autorize vendas através do sistema “Drive Thru” como forma de amenizar os problemas enfrentados, principalmente, pelas empresas de médio e pequeno porte.

A solicitação acontece durante o decreto assinado pelo prefeito José Luiz Nanci esta semana que prorroga o isolamento social rígido até o dia 31 de maio. Mas o governo se mostrou sensível à reivindicação e pediu aos empresários que preparem um projeto junto com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e as secretarias de Trabalho e Desenvolvimento Econômico e de Saúde e a Procuradoria Geral. 

“Estamos aqui para trabalhar em conjunto. Vocês preparam a minuta e vamos discutir novamente. Se for viável, vamos colocá-la em prática”, garantiu a secretária chefe de gabinete da prefeitura, Eliane Gabriel. 

A frente do movimento, o vereador Alexandre Gomes lembrou que dezenas de municípios do país vêm aderindo ao sistema “Drive Thru” e que o objetivo principal é o aquecimento da economia além do comércio essencial.

“Temos certeza que a opção é viável e segura. Como o sistema adotado em lanchonetes e lojas de fast-food, nossa proposta é que outros setores do comércio tenham esta opção neste período de isolamento social”, explicou.

Além de garantir o “Drive Thru” nos shoppings, a proposta colocaria o serviço ao longo de uma determinada rua ou avenida no Centro e no bairro do Alcântara, os dois maiores polos comerciais da cidade. Os pedidos seriam feitos por aplicativos, sites e até por whatsApp e retirados no local indicado, sem aglomeração.  

A ideia foi bem recebida pela população. “Gostei disso. Acho que podemos comprar outras coisas, além de remédio e comida, com responsabilidade. Estou precisando comprar uns sapatos e seria uma ótima oportunidade”, garantiu a professora Gilda de Araújo, de 38 anos. 

Outra também que gostou da sugestão foi a auxiliar de produção Cristina Lopes, de 36 anos. “Seria uma boa oportunidade principalmente para o comércio manter o emprego das pessoas. Em seguida, poderíamos comprar outras coisas que não tem no comércio essencial. Por mim, já está aprovado”, conta.

Publicado às 13h15.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *