sexta, 30 de outubro de 2020

Condições insalubres no Terminal de Niterói

Sindicato denuncia condições insalubres em banheiros das plataformas. Foto: Ibici Silva

As condições insalubres em banheiros do Terminal Rodoviário João Goulart, no Centro de Niterói, identificadas por diretores do Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) pode parar na Justiça. Na próxima semana a categoria informa que denunciará o caso ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Prefeitura de Niterói, além da direção do terminal.

Segundo o sindicato, pias quebradas e entupidas, mictórios e vasos sujos, problemas na rede elétrica, portas arrombadas, ladrilhos quebrados e mau cheiro provocado por dejetos humanos foram alguns dos problemas identificados, que de acordo com o sindicato, ameaçam a saúde dos rodoviários das 128 linhas municipais e intermunicipais, que operam dentro do terminal.

Segundo motoristas e usuários do terminal, moradores de rua e usuários de drogas arrombam as portas dos sanitários para fazer suas necessidades ou consumir entorpecentes durante à noite. Quando há shows no Caminho Niemeyer, por exemplo, centenas de pessoas invadem os banheiros e há ocorrências de furtos de equipamentos, inclusive de pias.

No decorrer dos dias, passageiros usam as instalações dos 12 banheiros (seis masculinos e seis femininos), que são de uso exclusivo dos rodoviários. Ainda de acordo com o sindicato, o uso indiscriminado dos sanitários provoca atrasos no fluxo dos ônibus, pois os motoristas e cobradores têm de esperar, muitas vezes, em uma fila de cinco ou seis pessoas.

Condições precárias e depredações nas instalações. Foto: Sintronac / Divulgação

A manutenção é feita pelos próprios comerciantes, que exploram os quiosques onde ficam os banheiros. Limpar os locais, segundo diretores do Sintronac constataram, é como “enxugar gelo”, pois o grande número de usuários inviabiliza um estado permanente de asseio.

“Atualmente, quase 600 mil pessoas passam pelo Terminal João Goulart diariamente. Há um intenso comércio no local, com lojas e quiosques. São números impressionantes, que exigem uma restrição maior do acesso aos banheiros privativos dos rodoviários. Há ainda o problema do consumo de drogas e da população de rua. É uma situação complexa, que exige uma intervenção imediata do poder público, antes que os profissionais rodoviários, responsáveis pelo atendimento à população, comecem a cair doentes”, afirma o presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira.

A empresa responsável pela manutenção do terminal, a Teroni, informou em nota que “este problema é uma das maiores preocupações da Teroni. Os banheiros passam por manutenções semanais, várias limpezas diárias, considerando que temos equipes de limpeza nos três turnos. Porém, a má conservação e sujeira dos banheiros é provocada pelos próprios rodoviários. Estes mesmos quebram e sujam nossas instalações diariamente”.

A empresa disse ainda que “quanto à população de rua, a Teroni pede ajuda regularmente à Prefeitura para levar essas pessoas para abrigos. No entanto, a Teroni não tem poder de Polícia para retirar a população de rua a força. O que nossos seguranças fazem é pedir aos moradores de rua que procurem outro local. Entretanto, reitero, não podemos tirar pessoas de nossas instalações a força. Isto é tarefa da Prefeitura e da Polícia Militar, caso estejam provocando a desordem urbana, algo que nem sempre os mesmos fazem”.

A Teroni disse ainda que ” já comunicou à Setrerj inúmeras vezes, por conta do mau uso dos banheiro por parte dos rodoviários. Mas, os alertas parecem não ter surtido efeito, uma vez que a responsabilidade é unicamente das empresas de ônibus em relação a seus funcionários.

Sobre a questão dos shows no Caminho Niemeyer, a empresa afirmou que “pode ser que algumas pessoas usem realmente os banheiros das plataformas. O que não podemos é proibir o acesso dessas pessoas, somente quando nossa segurança constatar atos de vandalismo. Claro que isso já ocorreu algumas vezes e nossos seguranças pediram a essas pessoas que deixassem o Terminal”.

A empresa disse também que “não pode é usar de força física, porque isso é tarefa da PM. Repito mais uma vez: a má conservação dos banheiros é muito mais atribuída ao uso dos próprios rodoviários, que, inclusive, arrancam pias, torneiras, vasos sanitários, etc, do que qualquer outro tipo de público. Nossa empresa faz manutenção regular, destacando o prejuízo enorme que temos devido a esses atos de vandalismo, mas a providência tem de vir das empresas de ônibus, as únicas que podem conter e repreender seus funcionários”, finalizou a nota.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

2 thoughts on “Condições insalubres no Terminal de Niterói

  1. Sobre a publicação no Plantão Enfoco de 29/05/2019 cumpre a TERONI esclarecer os seguintes pontos :
    1) Não nos pronunciamos sobre as denuncias pelo fato de as mesmas não nos terem sido transmitidas, a não ser por um telefonema, naquela data, de um senhor que se disse presidente do Sindicato;
    2) Já em 17/12/2012 (carta n° 185/2012) manifestamos nossa estranheza ao texto do oficio 418/2012 do SINTRONAC, que tratava do assunto em questão como se fosse resultado de diligências do Sindicato.. O que não ocorreu, pois esse fato veio à tona onze dias após termos solicitado, ao SETRERJ, a colaboração de todos os seus associados na busca da solução para o problema, que estaria se agravando. Em 05/2012 em resposta à nossa circular, envida às 19 empresas de transporte, manifestou-se o SETRERJ indicando que a conservação e a higiene das instalações eram deficientes. Afirmamos, no entanto, que os banheiros eram lavados diariamente pelas manhãs e tardes e lembramos que pias quebradas, canos arrancados e outras verificações inomináveis não seriam fruto dessa suposta deficiência;
    3) Em 24/09/2013 (carta n° 123/2013) submetemos à apreciação do SETRERJ a nossa intenção de construir novas unidades em seis plataformas com setores separados masculino e feminino. À frente dos banheiros ficariam pequenos “ stands” comerciais, que seriam os responsáveis pela frequência e pela chaves dos mesmos, que só seriam entregues aos rodoviários. Em 11/02/2014 entregamos os novos banheiros, localizados nas extremidades das plataformas, para uso dos rodoviários, solicitando a colaboração de todos na manutenção da higiene e dos equipamentos;
    4) Em 30/06/2014 entregamos a instalação elétrica que permitia, ao encarregado do “stand” abrir a porta do banheiro por acionamento de um botão, para a utilização das pessoas autorizadas. Nossa tentativa foi frustrada por diversas razões.;
    5) Em 22/03/2017 (carta n° 063/2017) solicitamos a colaboração da Secretaria Municipal da Assistência Social sobre a ocupação por “sem teto” dos espaços que circundam o Terminal, resultando em óbvia falta de higiene, além do consumo de drogas. A Secretaria fez várias intervenções, sem resultado já que não pode usar medida coercitiva para encaminhamento das pessoas naquela situação;
    6) Em 02/10/2018 substituímos as portas que estavam danificadas em 10 (dez) banheiros.. Após a instalação, as chaves foram entregues aos responsáveis.
    7) Contrastando com a foto publicada, juntamos as de dois banheiros femininos (plataformas rosa e verde ) que são mantidos com as portas fechadas para o público. Os que permanecem abertos, ensejam a utilização por qualquer pessoa que transite pelo Terminal, o que contraria a cláusula de exclusividade conferida aos rodoviários.
    Aníbal Bonorino – Gerente Administrativo da TERONI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *