sábado, 31 de outubro de 2020

Coronavírus no Rio: ‘Em algum momento ele vai se espalhar’

Deputada Martha Rocha (PDT) presidiu audiência. Foto: Eduarda Hillebrandt

O que o Rio de Janeiro deve fazer diante da ameaça do novo Coronavírus? As ações preventivas e de enfrentamento à doença respiratória que assolou a China foram debatidas em audiência pública no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) na manhã desta sexta-feira (6) e contou com autoridades da saúde.

O diagnóstico do primeiro caso de Covid-19 no Rio, que afetou uma paciente de 27 anos em Barra Mansa, na região Sul do estado, levou o estado a reforçar as medidas de prevenção.

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, afirmou que o governo estadual está acelerando a abertura de 120 leitos para o tratamento da doença, além de 229 leitos de internação já reservados nos hospitais públicos.

Edmar defende que não há razão para pânico, mas admite que o início da circulação interna do vírus se aproxima. A paciente de Barra Mansa foi infectada durante viagem à Itália em fevereiro.

“O sucesso do plano de contingência vai ser medido pela capacidade de organização desse enfrentamento, não pelo número de casos. Sabemos que é impossível deter a entrada do vírus, em algum momento ele vai se espalhar” reforçou o secretário, destacando que o plano, elaborado em janeiro, será atualizado constantemente.

Até quinta-feira (5), o estado estava acompanhando um caso confirmado e 79 suspeitos. Há, ao todo, nove casos confirmados da doença no país e 636 suspeitos.

Medidas de prevenção

A audiência foi presidida pela deputada estadual Martha Rocha (PDT), presidente da Comissão de Saúde da Casa.

A parlamentar sugeriu a criação de um comitê na Alerj para fiscalizar o plano de contingência, com participação dos órgãos estaduais de saúde. “Seria uma interface contínua e permanente com os órgãos da saúde e sociedade civil, para ter uma visão mais estruturada da efetividade do plano de contingência” afirmou.

A comissão de enfrentamento do coronavírus no Congresso Nacional integrou o debate. O deputado federal Dr. Luizinho (PP), titular da comissão de ações preventivas ao coronavírus na Câmara dos Deputados, destacou a preocupação com a configuração habitacional do estado.

“Pela falta de ventilação nas residências e quantidade de moradias com apenas um cômodos, o Rio enfrenta dificuldade na contenção de doenças respiratórias. Nos preocupa muito as comunidades do Rio de Janeiro e região metropolitana, além das regiões com temperaturas mais baixas, como a Serrana” pontuou o deputado federal.

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, admitiu a complexidade de conter a transmissão do vírus nas áreas periféricas. “A questão habitacional é muito séria. Esse problema se repete em Minas, em São Paulo e no inteiro. Teremos dificuldade com a questão do isolamento domiciliar”, afirmou.

Santos afirmou que não descarta, a depender do nível da crise, controlar ou determinar a suspensão de grandes eventos.

Alerta

Diante do risco de transmissão, a pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Margareth Dalcolmo, recomenda que aqueles que notarem os sintomas busquem os hospitais apenas se o estado de saúde for grave.

“Não há dúvida de que a Organização Mundial da Saúde declarará pandemia mundial nos próximos dias. A doença é nova e a dinâmica de transmissão não estão muito claras ainda. A doença chegará com números expressivos no país, porque o Brasil tem uma das maiores malhas aéreas do mundo. Com os métodos de barreira não é possível controlar” afirmou a pesquisadora.

Para Maria da Conceição, presidente dos Conselhos das Secretarias Municipais de Saúde do Rio (Cosems), destacou que a integração do Sistema Único de Saúde (SUS) está permitindo que os protocolos cheguem aos municípios. “Quando houver transmissão sustentada e o vírus atingir a massa, é o sistema de atenção básica que vai dar conta”, comentou.

O Conselho Regional de Medicina (Cremerj), representado pelo presidente Sylvio Provenzano, defende a antecipação da vacinação contra a gripe.

“Muito ainda há o que se descobrir sobre o coronavírus. O modo de transmissão, período de incubação. É oportuno que o Ministério da Saúde antecipe a vacinação de gripe. É um vírus que tem uma grande infectividade, e o principal risco são os carregadores do vírus que não apresentam sintomas” pontuou.

A presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Ana Lúcia Telles, defendeu a capacitação dos profissionais nos hospitais. “Os profissionais da Enfermagem que estarão na linha de frente. Nós preocupa apaziguar o pânico dos profissionais, porque o pânico não é apenas dos pacientes” frisou.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *