terça, 02 de março de 2021

Covid-19: comunidades cariocas têm dia de mobilização

O objetivo é ampliar a participação social na vigilância em saúde e promover a proteção social nas favelas. Foto: Marcelo Tavares

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) aprovou nesta terça-feira (9), o projeto de Lei 3573/2021, que institui o dia 10 de fevereiro como o “Dia Estadual de Mobilização para Enfrentamento à Covid-19 e seus Impactos nas Favelas”. O projeto segue para sanção do governador em exercício, Cláudio Castro.

O texto, de autoria da deputada Mônica Francisco (PSOL), estabelece a data com o objetivo de ampliar a participação social na vigilância em saúde e promover a proteção social das favelas e periferias.

A parlamentar afirmou que a proposição foi construída em parceria com coletivos de favelas e pretende fomentar ações educativas, de comunicação e de saúde nas comunidades cariocas.

“Os impactos do coronavírus são diferenciados nos territórios periféricos, em função da pobreza e da exposição a diversas privações de direitos. Nas favelas, os indicadores de vulnerabilidade são maiores e os moradores são fortemente expostos a doença. Eles [moradores], são os mais atingidos pelos impactos sociais, econômicos e humanitários da crise sanitária. Tudo isso amplia a necessidade de ações de proteção social, porque a pandemia não acabou, mas a favela segue sendo invisibilizada”, afirmou a deputada.

Manifestação

Manifestantes também cobraram, de forma pacífica, sobre a qualidade da água no Estado dentro das periferias. Diversos baldes vazios foram colocados nas escadarias da Alerj, no Centro do Rio. O objetivo foi chamar a atenção do Poder Público e mostrar como está o recurso dentro das comunidades. Policiais militares reforçavam a segurança em frente ao Palácio Tiradentes.

O ato foi organizado para marcar a data e denunciar a precarização da Cedae. Foto: Marcelo Tavares

O ato foi organizado para marcar a data e denunciar a precarização da Cedae nas favelas e foi proposta pelo coletivo “Água é vida, não mercadoria”.

Recentemente, a Cedae vem passando por problemas em relação ao abastecimento no Grande Rio. Em alguns bairros, moradores reclamaram do gosto e do cheiro da água. Em uma pandemia, o recurso fica cada vez mais necessário e fundamental na higienização contra o novo coronavírus.

A Cedae foi procurada para falar a respeito da qualidade do recurso nas comunidades cariocas, mas ainda não retornou às solicitações.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *