quinta, 22 de outubro de 2020

Defesa Civil reforça a importância do serviço de alerta via SMS

Serviço é gratuito e já conta com mais de um milhão de cadastrados. Foto: Divulgação

Com a proximidade do fim do verão, a Defesa Civil do Estado do Rio reforça a importância do cadastro para o serviço de envio de alerta via SMS. Gratuita, a ferramenta serve para avisar à população que há possibilidade de grandes precipitações para a região cadastrada.

De forma simples – basta enviar uma mensagem de texto com o CEP de interesse para o número 40199 – é possível se antecipar a situações adversas no território fluminense, como chuva forte, inundações e possibilidade de deslizamentos. Uma mesma pessoa pode cadastrar quantos CEPs quiser, mas é necessário que seja um de cada vez.

“O serviço é gratuito e, por isso, as pessoas devem se utilizar dele para se proteger em ocasiões em que há a possibilidade de forte chuva. Já estamos com cerca de 1,3 milhão de cadastros, o que credencia o primeiro lugar ao Rio de Janeiro em percentual de CEPs cadastrados: 7,7% de todo o Brasil”, disse o superintendente operacional da Defesa Civil do Estado, o coronel Bruno Braga.

O monitoramento das condições de risco é realizado pela Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-RJ), por meio do Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden-RJ). Os alertas são passados para os gestores municipais que, de forma autônoma, repassam os avisos para a população local. No caso das cidades que ainda não aderiram, a transmissão das informações vem sendo feita pelo órgão estadual.

Orientações

Para qualquer cenário de desastre natural – chuva forte, inundações e possibilidade de deslizamentos – a orientação da Defesa Civil do Estado é clara: a pessoa deve procurar e/ou permanecer em local seguro. O superintendente operacional do órgão afirma que é mais fácil sair da área antes que a rota de fuga seja bloqueada, por exemplo, com água.

“É fundamental que as pessoas se abriguem em um local seguro. Pontos de apoio são sinalizados e indicados pelas Defesas Civis municipais. Outra orientação que damos é não atravessar áreas alagadas em virtude da possibilidade de acidentes em bueiros, choques elétricos e, ainda, o risco de doenças, como leptospirose, hepatite e cólera”, informou o superintendente operacional.

Outras orientações

– Observar se, no terreno, há trincas em pisos e paredes;
– Observar se os muros se encontram estufados;
– Observar se as janelas e portas estão fechando de maneira correta;
– Se houver árvore no quintal, observar se o tronco da mesma está se inclinado;
– Em caso de sinais de desabamento, saia do local e ligue imediatamente para o 199.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *