segunda, 01 de março de 2021

Denúncia de ‘fura-filas’ para vacina em hospital de Niterói

Hospital Estadual Azevedo Lima (HEAL) - Noite - Pedro Conforte - plantão enfoco
Denúncias relatam que até familiares do diretor estariam entre os vacinados. Foto: Pedro Conforte.

Pessoas fora da faixa prioritária para receber vacinas de combate à Covid-19 estariam sendo vacinadas no Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, em Niterói. As denúncias anônimas relatam que a direção da unidade teria permitido, inclusive, que familiares do próprio diretor do hospital fossem colocadas na lista no início da tarde desta quinta-feira (28).

Entre as justificativas, funcionários alegam terem recebido a informação de que se tratavam de residentes de Medicina e médicos de outros hospitais. 

“Acho isso um absurdo, um desrespeito com os funcionários. Não sei se vai faltar [vacina] para quem trabalha na unidade porque tem muita gente que ainda não tomou. A gente entende que não pode passar ninguém na frente”, reclama um dos denunciantes, que preferiu manter a identidade preservada. 

A Secretaria Estadual de Saúde enviou uma equipe para aplicar as vacinas e outra para preencher a ficha. O hospital cedeu o espaço para vacinar os funcionários da unidade. No entanto, a pasta ainda não se posicionou sobre as denúncias.

O Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ) informa que as denúncias recebidas sobre os ‘fura-filas’ estão sendo repassadas à Polícia Civil para investigação posterior.

Denúncias

A Polícia Civil do Rio de Janeiro apura denúncias documentadas apresentadas pelo Coren-RJ de desrespeito a prioridades por profissionais da categoria na vacinação contra a Covid-19 no estado.

Durante reunião realizada na segunda-feira (25), no Departamento Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD), Lilian Behring, presidente do Coren-RJ, a vice-presidente, Ellen Peres e a procuradora Fábia Souza informaram casos de desvio de vacinas, que acabam beneficiando os fura-filas.

As denúncias, registradas em todo o estado do Rio, vão servir de base para as investigações da Polícia Civil. De acordo com a presidente do Coren-RJ, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem estavam sendo preteridos por outros grupos na hora da vacinação.

Segundo Lilian, o conselho recebeu denúncias em quase metade dos municípios do estado, o que o levou a montar uma força-tarefa para apurar as ocorrências. 

De acordo com o Coren-RJ, as denúncias vão desde desvio de vacinas até furadas de fila por autoridades que levam a família para se imunizar. Lilian destacou que os profissionais passam também por coação e recebem ameaças, sem condição de reagir.

Para o Coren-RJ, o cruzamento de dados por meio do CPF e as informações passadas pelos relatórios das instituições de saúde serão fundamentais para verificar quem foi vacinado. 

O conselho quer também a colaboração dos responsáveis técnicos das instituições para ter dados sobre abusos e privilégios. Todas as denúncias devem ser anotadas para que sejam encaminhadas à autoridade policial, o que permitirá controle do fluxo de vacinação.

Com Agência Brasil

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *