sábado, 10 de abril de 2021

Estado lança plano de enfrentamento à tuberculose

O Rio é o estado com a maior taxa de mortalidade por tuberculose. Foto Governo do Estado do Rio de Janeiro

No mês marcado pelo combate mundial à tuberculose, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) lançou, no último dia 18, em parceria com a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o Plano de Enfrentamento à Tuberculose no Estado. O programa vai destinar R$ 246,3 milhões oriundos de verbas parlamentares para o combate à doença nos próximos cinco anos. Em 2021, serão investidos R$ 106,3 milhões.

Dados da Superintendência de Vigilância Epidemiológica da SES mostram que o Rio é o estado com a maior taxa de mortalidade por tuberculose e o segundo em índices de contaminação no Brasil. O estado registra 73 casos a cada 100 mil habitantes e quatro mortes a cada 100 mil habitantes, principalmente em função da alta densidade demográfica e da população carcerária.

A maior incidência da doença, cerca de 80% dos casos, ocorre em 15 municípios: Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, na Região Metropolitana; Campos dos Goytacazes, na região Norte; e Belford Roxo, Duque de Caxias, Itaguaí, Japeri, Magé, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, São João de Meriti e Queimados, na Baixada Fluminense.

“Esse projeto é um grande desafio para todos nós. Nosso objetivo é reduzir esses números, especialmente nas 15 cidades e, com isso, impactar os indicadores em todo o estado. Existe muito abandono de tratamento. Quanto maior for o investimento nessa população que precisa de recursos para não deixar de se tratar, mais sucesso teremos. Vamos analisar as necessidades de cada município do estado e como podemos ajudá-los”, destacou o superintendente de Vigilância Epidemiológica da SES, Mário Sérgio Ribeiro.

A SES divulgou a análise da tuberculose no estado, tendo como base os números da doença até o ano de 2019. O documento “Cenário Epidemiológico: Tuberculose no Estado RJ” pode ser acessado pelo site: riocomsaude.rj.gov.br.

O Plano de Enfrentamento à Tuberculose no Estado do Rio inclui nove eixos de ação. Entre eles, estão previstos o desenvolvimento de projeto estratégico para reduzir o número de pacientes que abandonam o tratamento, além da contratação e capacitação de profissionais, investimentos nas unidades básicas de saúde e suporte social para as pessoas com tuberculose, tendo em vista que esta é uma população com vulnerabilidades socioeconômicas.

De acordo com Hedi Marinho de Melo Guedes de Oliveira, diretora médica do Hospital Estadual Santa Maria (HESM), a tuberculose pode acometer qualquer pessoa, mas é mais comum em grupos mais vulneráveis como a população em situação de rua, população privada de liberdade e pessoas com HIV/Aids. O tratamento, assim como a incidência, não é o mesmo para todos.

“O tratamento é feito na rede básica de saúde, com medicação diária ao longo de seis meses e ótimos resultados. No entanto, a tuberculose resistente requer uma combinação de medicamentos, que precisam ser administrados por um período maior, por cerca de um ano e meio. As chances de cura são menores”, explica a médica.

Dra. Hedi reitera a importância da aderência ao tratamento para que o paciente melhore e pare de transmitir a doença para outras pessoas. Ela alerta ainda que aqueles que entraram em contato com alguém que tenha a doença devem buscar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e realizar o teste tuberculínico.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *