sábado, 05 de dezembro de 2020

Falta de remédios para doenças crônicas em Niterói e SG

População iniciou ‘corrida’ pelo remédio, após pesquisas indicarem que produto pode ajudar no tratamento do coronavírus (Covid-19). Foto: Agência Brasil

Quem procura nas farmácias de Niterói e São Gonçalo pelos medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina encontra dificuldades. Isso porque, nas últimas semanas, a população iniciou uma “corrida” pelo remédio, após algumas pesquisas indicarem que este produto pode ajudar no tratamento do coronavírus (Covid-19).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no entanto, esclareceu que, apesar de alguns resultados promissores, não há nenhuma conclusão sobre o benefício do medicamento no tratamento do novo coronavírus.

O medicamento é comumente usado por pessoas com doenças crônicas, como lúpus e artrite reumatoide, além da malária. Esse é o caso da segurança Kelly Francisca de Araújo, de 46 anos, que há um ano e dois meses, descobriu que sofre de lupus.

“Minha esposa se trata com hidroxicloroquina desde que descobriu a doença. Estou há dois dias procurando em farmácias de diversos bairros de Niterói e São Gonçalo e não encontrei disponível em nenhum lugar. Agora, quem precisa realmente do medicamento, não está conseguindo comprar”, explicou o morador do bairro Arsenal, em São Gonçalo

Medicamentos em controle especial

A Anvisa enquadrou a hidroxicloroquina e a cloroquina como medicamentos de controle especial. A medida é para evitar que pessoas que não precisam desses medicamentos provoquem um desabastecimento no mercado. A falta dos produtos pode deixar os pacientes com malária, lúpus e artrite reumatoide sem os tratamentos adequados.

A agência ainda esclareceu que não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus.

Os pacientes que já fazem uso do medicamento poderão continuar utilizando sua receita simples para comprar o produto, durante o prazo de 30 dias. A receita será registrada pelo farmacêutico, que já está obrigado a fazer o controle do medicamento no momento da venda.

A nova categoria significa que o medicamento só poderá ser entregue mediante receita branca especial, em duas vias. Médicos que fazem a prescrição de hidroxicloroquina ou cloroquina já devem começar a utilizar este formato.

A hidroxicloroquina já estava enquadrada como medicamento sujeito à prescrição médica. Com a nova categoria, a venda irregular pelas farmácias é considerada infração grave.

Segundo a Anvisa, o uso sem supervisão médica também pode representar um alto risco à saúde das pessoas.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *