sexta, 15 de janeiro de 2021

Itaboraí decreta estado de calamidade administrativa

Medida tem o objetivo de solucionar problemas de gestão encontrados. Foto: Prefeitura de Itaboraí

O prefeito de Itaboraí, Marcelo Delaroli, declarou estado de calamidade administrativa, nesta quarta-feira (13), após encontrar a prefeitura sem contratos de serviços públicos essenciais.

A medida tem objetivo de ajustar as contas municipais e solucionar os problemas de gestão encontrados, principalmente, dentro da saúde pública, cemitérios e até na prestação de serviços diários da prefeitura, como limpeza urbana, para que a sociedade não sofra a paralisação das atividades municipais.


“É inacreditável o que nós estamos nos deparando na prefeitura, mas não vamos desanimar e nem deixar de trabalhar. Não vamos medir esforços para que a população de Itaboraí tenha todos os serviços funcionando,” afirma o prefeito Marcelo Delaroli.

O decreto estabelece ainda que as secretarias estão autorizadas a adotar medidas excepcionais para racionalização e otimização dos recursos operacionais e de pessoal para não interromper os atendimentos essenciais.

Essa foi uma das atitudes de austeridade e contingenciamento tomadas pelo chefe do Executivo no Diário Oficial, Marcelo Delaroli já tinha estabelecido a criação da Comissão de Auditoria e Fiscalização responsável por levantar todas as folhas de pagamento dos servidores ativos e propor ajustes fiscais nos contratos.

Em reunião com toda sua equipe, o prefeito determinou ainda a redução de 20% dos custos com cargos em comissão. Enquanto os trabalhos da auditoria não finalizam, a população de Itaboraí não ficará sem a prestação de serviços essenciais. Inovando no município, Marcelo Delaroli propôs a todos os secretários que busquem alternativas para que nada seja interrompido.

Nas secretarias municipais de Obras e Serviços Públicos, por exemplo, o próprio prefeito junto com secretários, vereadores, voluntários e servidores da pasta estão realizando mutirões de limpeza pelos principais distritos da cidade para minimizar o impacto da falta de contrato com uma empresa responsável pelo serviço.

“A população de Itaboraí não pode esperar. Todos os meus secretários estão neste momento buscando soluções, a ordem é não interromper serviços. Decretar calamidade administrativa foi uma medida extrema necessária para que possamos agir mais rápido. Não vamos ficar lamentando os erros dos governos passados, vamos trabalhar e propor soluções,” esclarece Delaroli.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *