domingo, 25 de outubro de 2020

Janeiro sem fim e dias mais quentes em quase cem anos

Nesta época do ano, as praias estão servindo de refúgio para o calor (Foto: Eduarda Hillebrandt)

As temperaturas no estado do Rio não param de subir. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), este foi o mês de janeiro mais quente desde 1922. A média de temperatura na Capital foi de 37,5 graus, cinco graus acima da média para o mês. Os registros são feitos há 97 anos pelo Inmet na Estação Meteorológica de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio. No último dia do mês, a expectativa é de mais calor com sensação térmica de 41º graus em Niterói e região.

Nesta quinta-feira (31), a Região Metropolitana do Rio vai contar com máxima de 40 graus e mínima de 23 graus, de acordo com o Instituto. Já a sensação térmica, que leva em consideração a temperatura e a umidade relativa do ar, pode chegar a 41 graus.

Apesar do INMET relatar que o recorde de altas temperaturas ter sido registrado no último dia 3, quando os termômetros marcaram 41,2 graus, no bairro de Santa Cruz. No Barreto, em Niterói, por exemplo, o termômetro da Rua Luiz Palmier registrava pela manhã 46º graus.

Calor, INMET, Verão, Barreto
Termômetro na Rua Luiz Palmier registro 46º graus pela manhã. Foto da leitora Valéria Monteiro

Cuidados no verão

No verão, algumas doenças como insolação, desidratação e intoxicação alimentar podem se tornar bastante frequentes. Para evitar esse tipo de indisposição, a Fundação Municipal de Saúde de Niterói orientou a população sobre os cuidados necessários para aproveitar a estação mais quente do ano.

A temperatura alta é um dos fatores que pode contribuir nos casos de intoxicação alimentar, cujos principais sintomas são diarreia, náuseas e vômitos, que podem levar à desidratação. O clínico e geriatra Ubiratan Moreira Ramos explicou que é necessário estar sempre atento à segurança, qualidade e conservação dos alimentos e aos sintomas da doença.

Outro fator que causa desidratação é a exposição prolongada ao sol, que também pode causar a insolação.

“Nesse caso, a recomendação é beber ao menos dois litros de água por dia, sempre aplicar o protetor solar antes de se expor ao calor e evitar as horas com maior concentração solar, entre 11h e 16h, além de usar chapéus, óculos de sol e roupas leves”, observou o médico.

Atenção com os pets

Os animais também sofrem com as altas temperaturas, portanto precisam de atenção especial.

Segundo a veterinária Fernanda Campista, o calor pode causar diversos danos à saúde do animal, desde queimaduras nas patas até mesmo a morte.

“Tanto o cão como o gato já têm temperatura interna mais alta que o do humano. Além disso, por estarem mais próximos ao solo, são mais sensíveis ao calor”, explicou.

Para os donos que precisam deixar seus bichinhos em casa sozinhos, a veterinária aconselhou manter o local sempre arejado e água à disposição do animal, aumentando o número de vasilhas pela casa.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *