sábado, 05 de dezembro de 2020

Mais de um ano de angústia tentando marcar exame em São Gonçalo

Primeiro exame, antes da cirurgia, foi feito no Hospital Municipal Luiz Palmier. Foto: Ascom/São Gonçalo

A notícia tão aguardada por uma paciente que sofre com câncer após realizar a cirurgia é saber se há necessidade de continuidade do tratamento ou se está livre da doença. Entretanto, a costureira Vânia Barcellos, de 53 anos, busca respostas para essas perguntas há mais de um ano, isso porque não consegue marcar um exame de colonoscopia, determinante para o diagnóstico pós-operatório, solicitado pelo médico, em São Gonçalo.

Diagnosticada com câncer no intestino, a moradora do Boaçu já não sabe onde recorrer para conseguir a marcação. A costureira conta que já solicitou o agendamento através do Sistema de Regulação (Sisreg) por duas vezes, mas ainda não obteve resposta. Antes da cirurgia — realizada em agosto de 2019 — ela já havia feito um exame desse tipo, marcado pela central, no Hospital Municipal Luiz Palmier, no Zé Garoto. Após se recuperar da cirurgia, Vânia ainda luta para fazer o novo exame.

“O pedido foi feito logo na primeira consulta após a cirurgia, porque o médico estava em dúvida se eu teria ou não que fazer a quimioterapia, mas até hoje nada. Dei entrada duas vezes, sem resposta. É muito complicado porque, assim como eu, sei que muita gente precisa desse exame. A gente fica com a sensação de descaso”, disse a moradora que aguarda há mais de ano para fazer o exame.

Sem trabalhar desde a cirurgia, a costureira vive a angústia da expectativa, já que desconhece seu atual quadro clínico. Recentemente, Vânia sofreu complicações na região afetada pela doença, com inflamações e dores. Ela chegou a cogitar pagar pelo exame na rede privada, mas não tinha o valor necessário.

“A gente paga impostos por anos, mas quando precisa, não tem suporte. O exame mais em conta que eu achei foi a R$ 1.170. Não tenho como pagar esse valor, fiquei sem renda. Não posso ter alta porque para o médico me liberar, ele tem que ver esse exame”, lamenta.

Procurada, a Prefeitura de São Gonçalo ainda não esclareceu o motivo para o atraso no agendamento, mas informou que uma equipe da Central de Regulação entrará em contato com a paciente nesta terça-feira (6), embora também não tenha esclarecido se pretende liberar a agenda e para quando. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *