sexta, 30 de outubro de 2020

Mais profissionais de saúde atuarão no Antônio Pedro, em Niterói

Profissionais convocados iniciaram treinamentos específicos para Covid-19. Foto: Divulgação/Huap

Os profissionais de saúde aprovados no Processo Seletivo Emergencial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para o Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap), em Niterói, começaram, nesta segunda-feira (11), a receber os primeiros treinamentos no contexto de Covid-19.

Até o momento são 111 convocados temporariamente para atuação no enfrentamento à doença, sendo: 55 técnicos em enfermagem; 20 enfermeiros; 20 fisioterapeutas; e 16 médicos. Na última semana, os profissionais estiveram no hospital para apresentação de documentos e exames admissionais.

Aqueles que passaram por esta primeira etapa sem nenhum impedimento, foram convocados a assinarem o contrato e iniciarem os treinamentos de imediato. Estes são da ordem do processo de iniciar com a paramentação e finalizar com a desparamentação, realizados por médicos designados para dar apoio ao Serviço de Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho (SOST) do Huap.

Além dos treinamentos gerais, as equipes de enfermeiros e técnicos de enfermagem também irão passar por outros de manejo de materiais contaminados e preparação do corpo pós morte por coronavírus. Após esta fase, os profissionais recém-chegados já podem atuar no enfrentamento à Covid-19.

Segundo o médico da Divisão de Gestão do Cuidado do Huap, Bruno Barcellos, o grupo de convocados que está chegando é muito heterogêneo, e, por isso, é preciso uniformizar o treinamento dos profissionais, a fim de protegê-los no ambiente de trabalho:

“Eles estão chegando a um hospital novo, em que não conhecem e não sabem como funcionam os fluxos, em termos físicos e operacionais, além de ser uma doença ainda pouco conhecida. Para dar maior segurança e garantir que eles não vão adoecer, é uma obrigação nossa de treinar todas estas pessoas para que elas saibam pelo menos usar os equipamentos de proteção individual. A maior parte da contaminação de coronavírus não acontece durante a manipulação do paciente, mas durante a desaparamentação, ou seja, retirar estes equipamentos”, disse.

Publicada às 14h41

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *