terça, 22 de setembro de 2020

Manifesto no Rio pela liberdade de músico preso em Niterói

Músicos se reúniram para protestar pela soltura do jovem. Foto: Divulgação

Músicos da Orquestra de Cordas da Grota se reuniram, na tarde deste sábado (5), em um manifesto cultural na porta do Complexo Prisional de Benfica, no Rio, pela soltura de Luiz Carlos da Costa Justino, de 23 anos. O morador da comunidade da Igrejinha, no Largo da Batalha, foi preso na noite de quarta-feira (3), no Centro de Niterói, sob acusação de roubo. Familiares e amigos acusam autoridades de uma ‘prisão injusta’, alegando que ele fazia uma apresentação no dia e horário do crime.

O fundador do grupo musical, Marcio Selles, esteve junto com os músicos no protesto deste sábado. Segundo o responsável pela orquestra, o objetivo da mobilização pacífica foi sensibilizar os órgãos por um julgamento justo e mostrar a importância do papel da música na vida dos jovens.

“Luiz é um menino ótimo, conheço ele desde os seis anos e toda a família. Sempre foi um rapaz muito tranquilo. Teve um período que chegou a ficar em dúvida entre o futebol e a música, mas o violoncelo acabou falando mais alto. Aqui nós tocamos o que sabemos de melhor, que é música clássica, música popular brasileira. Estamos esperançosos por um desfecho positivo dessa história”, disse.

Músicos tocaram em frente à unidade prisional. Foto: Divulgação

O advogado do caso, Renan Gomes, informou que já protocolou um pedido pela soltura e está aguardando o retorno do plantão judiciário sobre a demanda. De acordo com os familiares, representantes da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Niterói estão auxiliando no processo.

Na fim da tarde de sexta-feira (4), os familiares do violoncelista foram recebidos pelo prefeito Rodrigo Neves. O jovem foi preso após ser abordado por policiais do programa Segurança Presente, no Centro de Niterói, e levado para a delegacia. Contra ele, havia um mandado de prisão por assalto ocorrido em novembro de 2017, a partir do reconhecimento de vítima por uma fotografia. Mas os familiares alegam que se trata de um engano porque, no mesmo dia e horário, ele fazia uma apresentação.

“Estamos recebendo a família e a Comissão de Direitos Humanos da OAB para chamar atenção para o caso. Nossa convicção é pela inocência do Luiz Carlos e acreditamos que essa injustiça vai ser reparada o mais rapidamente possível, abreviando o sofrimento dele e da família”, disse o prefeito.

A mãe de Luiz Carlos, Angélica da Costa, ressaltou ter certeza da inocência do filho.

“Estão sendo os piores dias da minha vida, nunca passei por isso. Está sendo muito difícil. Ele é inocente. Se ele tivesse feito alguma coisa, eu, como mãe ia chorar, mas eu ia me conformar porque ele tinha feito besteira. Mas ele não fez”, disse.

Abaixo-assinado

Pela internet a comunidade da Grota fez um abaixo-assinado, iniciado nesta quinta, exigindo a libertação do músico e em menos de 48 horas já são quase 19 mil assinaturas registradas.

Publicada às 17h42

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *