quarta, 02 de dezembro de 2020

Maricá cria ‘Plano de Contingência’ para desastres naturais

Foram mapeados 123 pontos de risco em Maricá. A cidade sofreu com as chuvas do início do ano. Foto: Arquivo/ Ibici Silva

A prefeitura de Maricá criou o Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil para deslizamentos de grande impacto, inundações bruscas e processos geológicos ou hidrológicos. O decreto homologado foi publicado no Diário Oficial desta terça-feira (5).

Maricá é um dos 821 municípios brasileiros prioritários para as ações do Programa de Gestão de Risco e Resposta a Desastres. Segundo a prefeitura, entre 2018 e 2019, foram mapeados 123 pontos de risco geológico e 32 áreas suscetíveis a inundações, onde residem milhares de pessoas.

O Plano de Contingência estabelece os procedimentos a serem adotados pelos órgãos envolvidos direta ou indiretamente na gestão do risco e no gerenciamento de desastres relacionados a estes eventos naturais.

Os protocolos serão definidos pela prefeitura de acordo com o nível da ativação (Vigilância, Atenção e Alerta), e avisados à população através de mensagem de texto (SMS).

Segundo o secretário de Proteção e Defesa Civil, Celso Netto, também serão criados procedimentos a serem seguidos durante o período de pandemia, causado pelo novo coronavírus.

“São protocolos e procedimentos que a gente deve seguir no momento da pandemia. Fizemos a reunião semana passada e determinamos as funções de cada um, de cada secretaria envolvida. Se tiver necessidade, as medidas estão todas bem elencadas e definidas. O plano deve ser publicado ainda essa semana”, explicou Netto.

O secretário ainda esclareceu que as medidas do plano de contingência do novo coronavírus seguem protocolos internacionais, feitos pela Organização Mundial da Saúde.

“A pandemia é um desastre sanitário. Não estamos nesse estágio de plano de contingência, mas é um plano abrangente. Se houver necessidade, a gente lança mão disso”, contou.

Movimentos de Massa

A Coordenadoria Técnica da Secretaria de Proteção e Defesa Civil de Maricá elaborou o relatório de causas e efeitos dos desastres de maior prevalência no Município.

O relatório foi confeccionado através de consultas aos locais já mapeados pelo Departamento de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro (DRM-RJ), empresa REGEA e pontos vistoriados pela equipe técnica da Defesa Civil da cidade.

Também foram feitas sobreposições de mapas a fim de observar possíveis pontos sujeitos aos processos de movimentação de massa, tais como: escorregamentos, queda de blocos, rolamento e tombamento. Além disso, utilizou-se o software “Google Maps”com o intuito de verificar o crescimento populacional e as devidas áreas ocupadas no município.

Após as verificações, a Prefeitura percebeu que o Município teve um salto populacional de 127.461 habitantes para 161.207 habitantes em um intervalo de 10 anos. Com isso, foi possível observar que muitas famílias ocuparam áreas inadequadas, com vários problemas geológico-geotécnicos.

As áreas de maior vulnerabilidade correspondem aos seguintes bairros: Amizade, Inoã, Boqueirão,Bambuí, Recanto de Itaipuaçu, Ponta Negra, Araçatiba, Caju, Lagoa da Barra e Lagoa de Guarapina.

Conforme vistorias técnicas, as maiores problemáticas das áreas correspondem aos cortes no talude, problemas de cunho estrutural e edificações assentadas em locais de risco.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *