sexta, 22 de janeiro de 2021

Maricá lidera geração de empregos no estado

De janeiro de 2017 a novembro de 2020 foram criados na cidade 6.592 novos empregos formais. Foto: Marcos Fabrício – Ascom Maricá

Maricá foi o município do Estado do Rio que mais gerou empregos com carteira assinada nos últimos quatro anos, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), divulgados pelo governo federal e referentes até novembro passado.

De janeiro de 2017 a novembro de 2020 foram criados na cidade 6.592 novos empregos formais, representando um aumento de 52,5% na força de trabalho do município.

Ainda de acordo com os dados do Caged, até novembro Maricá havia gerado 967 novos postos de trabalho com carteira assinada – com a ressalva de que, no estado do Rio, houve perda de 133.754 vagas.

Secretário de Desenvolvimento Econômico, Igor Sardinha destacou que o bom desempenho de Maricá na geração de empregos é fruto do desenvolvimento econômico do município e de ações dos setores público e privado.

No caso do setor público, destacam-se os programas de suporte econômico no âmbito da pandemia do novo coronavírus, que sustentaram um desempenho positivo na criação de empregos formais mesmo durante os meses mais críticos, com o fechamento do comércio reduzindo o ritmo econômico por toda parte. 

O secretário avaliou o impacto positivo das políticas de apoio à economia local na proteção e aumento do estoque de empregos de Maricá.

Os programas de Amparo ao Emprego (PAE) e de Amparo ao Trabalhador (PAT) – que foram prorrogados até março de 2021 após votação na Câmara Municipal – possibilitaram aos empregadores locais manter seus funcionários durante o período mais agudo da pandemia de Covid-19, quando muitas empresas deixaram de funcionar.

Com o PAE, pelo menos 3 mil empregos foram preservados, com a prefeitura pagando um salário mínimo por funcionário das empresas. Já no PAT, 23.500 pessoas, entre profissionais liberais, autônomos e trabalhadores informais estão recebendo um salário mínimo mensal.

“Somado a essas políticas solidárias, tivemos também o uso da moeda social ampliado, mantendo a economia aquecida”, observou. 

Vale ressaltar que durante todo o ano de 2020, e em especial nos meses após a decretação da pandemia, além da geração de empregos de carteira assinada, a cidade registrou também um crescimento na arrecadação de impostos municipais como o ISS.

Tal característica é reflexo da injeção direta de recursos na economia local, que ultrapassou a marca de R$ 300 milhões até dezembro. Só com o recurso do programa Renda Básica de Cidadania, através do qual 42.500 pessoas recebem mensalmente 300 Mumbucas (equivalentes a R$ 300) para gastar apenas na cidade, são R$ 12,7 milhões por mês.

Não à toa, há hoje mais máquinas de débito associadas ao RBC do que máquinas de crédito e débito comuns. São mais de 6 mil estabelecimentos registrados aceitando a Mumbuca, contra a metade que aceita os outros cartões. 

“O processo de transformação da cidade passa essencialmente por diminuir a desigualdade, oferecendo oportunidades de acesso ao mercado de trabalho e empregos no município, garantindo a infraestrutura e a capacitação necessárias aos empreendedores locais. O trabalho seguirá no sentido de avançarmos na geração de empregos”, afirmou Sardinha.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *