sábado, 15 de maio de 2021

‘Não aguentamos mais’, Niterói registra terceiro dia consecutivo de protestos

Publicada ás 16h32 / Atualizada ás 19h39

Nem a chuva atrapalhou o protesto de trabalhadores e empresários no Centro de Niterói contra as medidas restritivas anunciadas pela prefeitura. Foto: Vitor Soares

Pelo terceiro dia consecutivo centenas de pessoas se reuniram em Niterói para um protesto contra a prorrogação das medidas restritivas determinadas plea Prefeitura de Niterói. Dessa vez, cerca de 300 pessoas, entre empresários e trabalhadores, de diferentes setores se reuniram na tarde desta terça-feira (13) na frente da prefeitura, no centro da cidade.

Com faixas, cartazes e um carro de som, nem a chuva impediu a manifestação, que começou por volta de 15h na Rua Visconde de Sepetiba. De máscaras, trabalhadores pediram pela flexibilização das medidas.

Guardas municipais foram acionados e fizeram um escudo humano na porta da administração municipal. Policiais militares do Batalhão de Niterói (12° BPM) também foram deslocados.

Aos gritos e palmas, manifestantes reclamam dívidas e a necessidade de voltar a trabalhar:

“Queremos trabalhar e pagar as nossas dívidas”

Entre os integrantes do protesto, a empresária Raquel Gomes afirma que a impressão é que as categorias não são ouvidas.

“Não queremos demitir e esse movimento é pela vida e também pelas famílias. Essa união que nós temos é para dizer basta. Revolta o mês indo embora e as contas chegando. Não aguentamos mais, precisamos ser ouvidos”

Por volta das 16h35 a manifestação seguiu caminhando pela Rua Visconde de Sepetiba, em direção à Rua Marquês de Paraná, onde permaneceu por cerca de uma hora.

Os dois sentidos da via chegaram a ser interditados por alguns minutos. Logo depois, o trânsito foi liberado em uma faixa para quem seguia em direção a Icaraí. No sentido Centro, o fluxo seguiu normalmente.

Novo protesto

Por volta das 17h35 os manifestantes encerraram o ato, convocando para um novo protesto na manhã desta quarta-feira (14), com concentração na esquina das Rua Miguel de Frias com Avenida Marques de Paraná, em Icaraí, na Zona Sul de Niterói.

Segundo o presidente do Sindicato dos Lojistas de Niterói (Sindlojas), Charbel Tauil, o setor já não aguenta mais ficar de portas fechadas.

“Queremos urgentemente a flexibilização. Os setores já não conseguem pagar as contas, estão demitindo e fechando as portas. Nós precisamos conversar democraticamente e o prefeito está nos cerceando esse direito. Está excluindo a classe que mais representa a cidade: a de comércio e serviço. As cidades do Rio, São Gonçalo e Itaboraí estão abertas. Que ciência é essa?”

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');