sexta, 16 de abril de 2021

Noroeste Fluminense recebe ajuda humanitária da Defesa Civil

Secretário de Estado de Defesa Civil visitou a região afetada pelas chuvas. Foto: Ascom Governo do Estado

Em resposta às chuvas que atingiram o Noroeste Fluminense, o secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Leandro Monteiro, visitou neste domingo (21) os municípios de Porciúncula e Natividade.

A Sedec-RJ vai doar, em parceria com a LBV, integrante da Rede Salvar de Voluntários, cerca de 1,2 mil litros de água, 200 cestas básicas e carros-pipa para as famílias afetadas pela elevação do nível do rio Carangola.

Desde quinta-feira (18), agentes da Sedec-RJ percorrem os municípios da região, em apoio às prefeituras. Foto: Ascom Governo do Estado

“Sobrevoei a região, estive nas áreas mais críticas e me reuni com representantes da administração municipal. Passei o panorama completo da situação para o governador Cláudio Castro, que disponibilizou toda a ajuda necessária para atender as necessidades da população local e auxiliar no processo de reestruturação”, afirmou o coronel Leandro Monteiro.  

Desde quinta-feira (18), agentes da Sedec-RJ percorrem os municípios da região, em apoio às prefeituras. Porciúncula foi a cidade com mais danos, até o momento.

O Corpo de Bombeiros RJ também atua na localidade, realizando cortes de árvores e socorrendo pessoas atingidas pelos alagamentos. Não há, até o momento, informações sobre vítimas.

A Defesa Civil, por meio do Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden-RJ), segue monitorando as condições meteorológicas e os níveis pluviométricos do território fluminense, enviando alertas para as regiões, em caso de riscos hidrológicos e geológico.

Desalojados

Uma enchente provocada pela subida do nível do Rio Carangola deixou 3,1 mil pessoas desalojadas em Porciúncula, município do Rio de Janeiro próximo da divisa com Minas Gerais e o Espírito Santo. Segundo a defesa civil do município, outras 126 pessoas ficaram desabrigadas e 8,6 mil foram afetadas.

De acordo com a defesa civil municipal, o Rio Carangola chegou aos 8,4 metros na noite de sábado (20), maior nível já registrado. Porém, na tarde deste domingo (21) as águas já haviam retrocedido para o nível de 5,6 metros.

Sem água

A enchente afetou o abastecimento de água na cidade. A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro informou que interrompeu o fornecimento de água até a normalização do nível do rio. Uma passarela que dava acesso ao bairro João Clóvis Breijão acabou cedendo com a força da água.

Natividade da Serra

Em Natividade da Serra a cheia do Carangola deixou 80 famílias desalojadas e 9 desabrigadas que, segundo a prefeitura da cidade, foram abrigadas em escolas. Segundo a defesa civil do município, a cidade foi atingida por um temporal de 101 milímetros ontem. Houve quedas de barreiras e uma pessoa teve que ser socorrida em um soterramento.

Alguns bairros, como o de Pedro Gomes ficaram ilhados com a impossibilidade de trafegar sobre as passarelas de pedestres.

Na tarde de hoje, as equipes da prefeitura de Natividade já faziam a limpeza das ruas, com auxílio de um caminhão pipa cedido pela prefeitura de Varre-Sai, município vizinho.

Agência Brasil

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');