segunda, 17 de maio de 2021

Onça-parda é flagrada por armadilhas fotográficas em Petrópolis, no Rio

A onça-parda alimenta-se de animais silvestres de portes variados. Foto: Divulgação/Governo do Estado do Rio de Janeiro

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) registrou no dia 21 de abril, a presença de uma onça-parda (Puma concolor) em Petrópolis, dentro dos limites da Reserva Biológica Estadual de Araras (Rebio Araras), unidade de conservação administrada pelo órgão. Segundo maior felino do Brasil, a espécie tem baixa população naturalmente, e está ameaçada pelo avanço da ação humana no habitat onde vive.

O monitoramento de animais no local é feito por meio de armadilhas fotográficas que foram destinadas à unidade de conservação por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Ministério Público Estadual (MPE). O equipamento auxilia a equipe da Rebio no monitoramento da qualidade ambiental da fauna.

Com o auxílio da tecnologia, já foram registradas na Rebio Araras diversas espécies como o Gato-maracajá (Leopardus wiedii), e o Gato-do-mato-pequeno (Leopardus guttulus), também ameaçados de extinção. Somente no ano de 2021, foram contabilizados cinco registros da onça-parda dentro dos limites da reserva.

“Pelas características de vida do animal, é possível perceber que a floresta está em equilíbrio, não somente a Rebio Araras, mas também outras unidades de conservação vizinhas que conseguem proteger todo este ambiente florestal e permitir que a espécie sobreviva”, afirma a gestora da Reserva Biológica de Araras, Érica Melo.

A onça-parda alimenta-se de animais silvestres de portes variados e exerce papel vital na manutenção da integridade dos ecossistemas onde ocorre. A espécie tem a capacidade de adaptação a vários tipos de ambientes, de desertos quentes aos altiplanos andinos, com maior atividade ao entardecer e à noite.

Unidade de conservação

Localizada na Região Serrana do Rio e com 3.837 hectares de área, a Rebio Araras protege em seu interior, aproximadamente, 110 nascentes e 100km de extensão de cursos hídricos. Além disso, no âmbito do Mosaico Central Fluminense, conecta a Reserva Biológica do Tinguá à Zona de Vida Silvestre da Área de Proteção Ambiental (APA) Petrópolis, duas grandes unidades federais da Região Serrana.

O Instituto Estadual do Ambiente ressalta que na reserva são permitidas apenas visitas de cunho educacional e/ou realização de pesquisas científicas, mediante autorização prévia.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');