domingo, 07 de março de 2021

Prefeitura de Maricá retira 3 toneladas de peixes das lagoas

Instituto Estadual do Ambiente (INEA) vai apurar motivo da mortandade. Foto: Vinicius Manhães/prefeitura de Maricá

A Prefeitura de Maricá, através da autarquia Serviços de Obras de Maricá (Somar) retirou, até o início da tarde desta terça-feira (16), cerca de três toneladas de peixes mortos das lagoas de Jacaroá e Caju. Ao todo, 40 servidores da autarquia trabalham na operação.

 De acordo com Rodrigo Fagundes, diretor de Conservação da Somar, a operação de limpeza das lagoas foi iniciada na tarde desta segunda-feira, (15), logo que  Prefeitura foi informada do problema.

“Nós soubemos e destacamos equipes para irem aos locais e fazer a limpeza das lagoas. O nosso trabalho começou às 18h e foi mais ou menos até as 3 da manhã, mas não acabou, enquanto tiver mortandade, nós continuaremos a limpeza. Acreditamos que isso ocorreu por conta do período prolongado sem chuva”, explicou Rodrigo, revelando que a espécie retirada das lagoas pelas equipes foi a Corvina.

Ainda de acordo com Rodrigo, a Somar enviou técnicos até o local da Barra de Maricá para avaliar a real necessidade de abertura do canal. “Não é simplesmente abrir o canal, precisamos estudar para não causar o efeito reverso, que ao invés de trazer água do mar, vai ter o retorno e a lagoa vai secar mais ainda”, completou.

Assim que foi informada do problema, a Secretaria de Cidade Sustentável informou que vai acionar o Instituto Estadual do Ambiente (INEA), órgão responsável pela fiscalização de rios e lagoas da cidade, para apurar o que causou a mortandade de peixes no trecho próximo a Jacaroá.

De acordo com o órgão municipal, uma das razões para a ocorrência da mortandade  seria a baixa oxigenação do sistema lagunar causada pela falta de chuvas frequentes na cidade há mais de um mês. Além disso, em períodos de alta temporada, a população da cidade aumenta significativamente. Há, ainda a procura maior pelos trechos à beira da lagoa neste período de carnaval, o que aumenta o despejo de dejetos nas águas.

“Historicamente, é comum no mês de fevereiro termos esse problema nas lagoas por causa destes fatores. Vamos acompanhar a avaliação que o INEA deve fazer através da coleta de amostras”, explicou o subsecretário Guilherme Mota.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *