sábado, 24 de outubro de 2020

EcoPonte não vai construir passarela prevista em contrato

Pontos são utilizados como terminal para troca de ônibus. Foto: Plantão Enfoco

O projeto de construção da passarela de pedestres que ligaria os pontos de ônibus da Ilha do Mocanguê na Ponte Rio-Niterói foi abandonado pela EcoPonte, segundo informou a concessionária que administra o trecho. Prevista no contrato de concessão, a passarela foi retirada dos planos após tratativas entre a concessionária e a Marinha do Brasil. Com isso, os milhares de usuários de coletivos que diariamente embarcam e desembarcam na Ilha do Mocanguê continuarão precisando atravessar mais de 13 km da Ponte, caso necessitem de um retorno.

Com a implementação do Bilhete Único, os pontos de ônibus passaram a ser utilizados pelos passageiros como uma espécie de ‘terminal’. Atualmente, segundo o Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), 82 linhas intermunicipais estão autorizadas a parar nos pontos de ônibus. A ilha abriga uma base naval da Marinha, que pode ser acessada pela ponte.

Segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que fiscaliza a concessão, a obra precisaria do aval da Marinha do Brasil para ser executada. Ainda de acordo com a agência, a alteração de uma obra prevista contratualmente pode impactar no pedágio. “Nesse caso específico, foi proposto o desconto de reequilíbrio na tarifa pela não execução”, informou a agência, que destacou ainda a possibilidade da revisão tarifária a partir do próximo reajuste.

A medida não agradou passageiros que utilizam o ponto cotidianamente. A servidora pública Zenilce Ferreira reside no Centro de São Gonçalo e trabalha na região da Candelária, no Rio. Na ausência de linhas intermunicipais diretas, faz a integração no Mocanguê.

“Se tem alguma emergência e precisa retornar, é preciso contornar pelo Rio, gastando mais tempo e passagem”, afirma.

Desde o início da concessão em 2015, os pontos receberam outra intervenção prevista no contrato: o número de faixas de rolamento foi ampliado de uma para duas, o que permite que até quatro ônibus parem para o embarque simultaneamente nos pontos. Na época, o Detro reduziu o número de linhas autorizadas a parar no ponto. “Atualmente temos um resultado muito satisfatório”, informou o departamento em nota.

A Ecoponte, do grupo EcoRodovias, arrematou a concessão da Ponte em 2015, sucedendo a CCR. Há outras obras em andamento na via, como a alça de ligação com a Linha Vermelha, com previsão de conclusão para maio, de acordo com o relatório da ANTT. A concessionária não informou por quais motivos não tratou com a Marinha questões relativas a autorização para construção da passarela, antes de anunciar na concessão a realização da obra.

A Marinha do Brasil foi procurada para esclarecer a decisão sobre a não autorização para construção da passarela, mas ainda não retornou.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *