segunda, 28 de setembro de 2020

Rio: expectativa é vacinar 3 milhões de pessoas contra o sarampo até março

Vacinação acontece em pessoas entre seis meses e 59 anos: Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro quer chegar até o fim de março com 3 milhões de pessoas entre seis meses e 59 anos de idade imunizadas contra o sarampo. Segundo o médico da secretaria Alexandre Chieppe, esse número corresponde à estimativa de pessoas que não têm imunização completa contra a doença, que exige duas doses.

“Muita gente só tomou uma dose da vacina. Na dúvida [se tomou ou não as duas doses], o ideal é que procure um posto de vacinação. O profissional de saúde vai poder fazer a avaliação e, na maioria dos casos, vai aplicar a vacina, porque a recomendação é que, se a gente não tem certeza ou se perdeu a caderneta de vacinação, que aplique a vacina novamente”, disse Chieppe.

Neste sábado (1º), postos de saúde e pontos de vacinação nos 92 municípios fluminenses estão aplicando vacinas no chamado Dia D contra o Sarampo, para evitar a ocorrência de um surto como o do ano passado. As autoridades sanitárias do estado temem que a doença possa atingir até 10 mil pessoas neste ano no Rio de Janeiro.

A campanha estadual, que começou em janeiro, deve se estender até 23 de março. O município que, assim como o resto do estado, iniciou em janeiro sua campanha de vacinação, também aderiu ao Dia D, com a abertura de 233 postos de saúde e mais 100 pontos de imunização, que ficarão abertos até as 17h.

Na campanha municipal, 30 mil pessoas já se vacinaram. A previsão é chegar ao fim do dia de hoje com 45 mil pessoas imunizadas. Segundo a secretária municipal de Saúde, Beatriz Busch, a imunização contra o sarampo é permanente.

“A campanha não vai parar. A gente vai continuar vacinando até que o sarampo esteja afastado. A gente está num surto ativo, o que significa que toda a cidade está vulnerável. É o momento de maior vigilância, estamos chegando no carnaval, as crianças voltarão às aulas. São situações de aglomeração de pessoas”, disse.

Luciany Brum foi até o Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto, em Copacabana, na zona sul da cidade do Rio, para se vacinar com suas sobrinhas. “Aproveitei a oportunidade, vi a propaganda pela internet e resolvi tomar.  Eu nunca tomei. Uma das minhas sobrinhas também nunca tomou e a outra não sabe”, disse.

Público-alvo

O público-alvo da campanha são pessoas entre seis meses e 59 anos de idade. Segundo o médico Alexandre Chieppe, as crianças que já tomaram as duas doses de vacina contra o sarampo, normalmente aplicada aos 12 e aos 15 meses, não precisam mais se vacinar.

A campanha atual é para as crianças que não tomaram as duas doses e para aquelas que têm entre seis meses e um ano de idade e que, portanto, ainda não tomaram a primeira dose. Para essas crianças, é dada uma chamada “dose zero”, que depois será complementada pelas duas doses normais da vacina.

“Na dúvida, leve a criança num posto de vacinação, com a caderneta. Às vezes, não precisa do sarampo, mas pode precisar de alguma outra vacina que eventualmente possa estar faltando”, explicou.

Já para as pessoas com mais de 59 anos de idade, Chieppe disse que a vacina não é recomendada, mas pode ser aplicada. Casos específicos podem ser analisados por um profissional de saúde.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *