terça, 22 de setembro de 2020

Rio: Mais de mil pessoas se tratam contra a hanseníase

A doença tem cura, e o tratamento disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) interrompe a sua transmissão em até 48 horas. Foto: Divulgação

Janeiro Roxo é o mês da conscientização sobre a hanseníase. O período serve como alerta sobre um importante problema de saúde pública que, apesar do manejo clínico bem estabelecido, ainda representa um desafio para o estado do Rio de Janeiro e o Brasil: a hanseníase.

A doença tem cura, e o tratamento disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) interrompe a sua transmissão em até 48 horas. Mesmo assim, o Brasil é o segundo país com o maior número de novos casos no mundo, atrás somente da Índia.

De acordo com levantamento da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ), 950 casos foram notificados em 2018 e, hoje, 1.194 pessoas estão em tratamento no estado – 40 pacientes menores de 15 anos e 293 com algum grau de incapacidade física, o que pode ocorrer quando a doença é diagnosticada tardiamente.

O Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase foi comemorado neste último domingo de janeiro. Para superar esse quadro desafiador, é preciso vencer o preconceito.

Devido ao estigma associado à doença (até a década de 1980, no Brasil, pacientes com hanseníase eram submetidos ao isolamento compulsório), muitas pessoas ainda têm medo de realizar o diagnóstico. No entanto, somente a identificação precoce da doença e o início imediato do tratamento podem garantir desfechos favoráveis, sem sequelas.

Segundo o gerente de hanseníase da Subsecretaria de Vigilância Sanitária da SES-RJ, André Luiz da Silva, o diagnóstico pode ser feito nos postos de saúde de todo o estado.

“Entre os principais sintomas estão o aparecimento de manchas claras ou avermelhadas nos braços e pernas, formigamento, perda de sensibilidade nessas regiões e o surgimento de caroços pelo corpo. O tratamento, gratuito e disponível no SUS, é realizado com comprimidos e pode durar de seis meses a um ano. É muito importante que todas as pessoas que moram no mesmo domicílio do paciente sejam avaliadas pelos profissionais de saúde para afastar o diagnóstico”, afirma o especialista.

Roda Hans

Para ampliar o acesso da população fluminense ao diagnóstico da hanseníase, por ocasião do Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase no ano passado, 5 de agosto de 2019, a SES-RJ e o Ministério da Saúde promoveram o Projeto Roda-Hans no Rio de Janeiro.

A ação contou com diversas estratégias de atuação: uma carreta com consultórios percorreu, por dois meses, 19 municípios para conscientizar a população sobre a hanseníase. Foram realizadas consultas dermatológicas, além de disponibilizar uma equipe qualificada treinando profissionais de saúde. O objetivo foi identificar casos da doença, capacitar profissionais e fornecer informações para combater o preconceito.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *