quarta, 02 de dezembro de 2020

Rio tem mais de 98% da população em baixo risco no Mapa de Risco da Covid

Exercício, Copacabana, Zona Sul, praia, verão
Apenas uma das nove regiões do estado é classificada em bandeira laranja. Foto: Pedro Conforte

A Secretaria de Estado de Saúde divulgou na noite desta sexta-feira (2) a sétima edição da nota técnica e do painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus no Estado do Rio de Janeiro.

Somente a Região Centro-Sul, cuja população corresponde a menos de 2% da total do estado, encontra-se em bandeira laranja, que indica risco moderado de contrair a doença.

Com baixo risco da doença, classificadas com bandeira amarela, estão as regiões que concentram mais de 98% da população fluminense: Metropolitanas I e II, Baía da Ilha Grande, Médio-Paraíba, Norte, Baixada Litorânea, Noroeste e Serrana.

O Estado do Rio de Janeiro teve, como um todo, diminuição de 18% no número de óbitos e queda de 15% no número de casos, indicadores que, associados à taxa de ocupação dos leitos, mantém a classificação do estado na bandeira amarela, de risco baixo.   

Na Região Centro-Sul, embora tenha havido a queda de 16,22% no número de casos, houve aumento de 12,5% no total de óbitos, o que levou à mudança de bandeira. Nela estão onze municípios: Areal, Comendador Levy Gasparian, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Miguel Pereira, Paracambi, Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Sapucaia, Três Rios e Vassouras.

Divulgada em 17 de setembro, a atualização anterior do Mapa de Risco apontava que 94% da população estava em áreas de baixo risco, e só a Região Norte, que concentra 5,5% da população fluminense, com risco moderado, em bandeira laranja. Apesar do aumento de 10,94% no número de casos, o Norte teve queda de 5,56% no número de óbitos, o que a passou para a bandeira amarela.  

A Região Baía de Ilha Grande manteve-se em bandeira amarela porque, mesmo com aumento de 20% no número de óbitos, teve queda de 35,48% no número de casos.

“Na comparação entre as Semanas Epidemiológicas 38 e 36, a Região Centro-Sul Fluminense retrocedeu ao risco moderado, que já tinha sido evidenciado na quarta publicação do Mapa de Risco. A classificação de risco nessa região foi impactada pela variação positiva do número de óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nos municípios de Sapucaia e Paracambi”, explica a subsecretária extraordinária de Covid, Flávia Barbosa.

“Já a Região Norte avançou para a bandeira amarela. Esses resultados refletem a redução de óbitos por SRAG em relação às semanas epidemiológicas anteriores, com consequente redução nas taxas de ocupação de leitos destinados à Covid-19”, pontua.

Na Região Metropolitana, mais 40 leitos

A secretária explica que, considerando a heterogeneidade da curva epidêmica em todo o estado, é necessária uma análise regional para a tomada de decisão sobre medidas de prevenção.

“A Região Metropolitana I se mantém em risco baixo para Covid-19, com uma variação negativa de óbitos e internações, quando comparada a Semana Epidemiológica 38 com a 36. Cabe ressaltar que o agravamento da pandemia na Região Metropolitana I, apontado na publicação do Boletim 04, não se manteve na avaliação mais recente. Uma ação importante nessa região foi a ampliação de mais de 40 leitos, o que permitiu que a região permanecesse em um nível de risco baixo para taxa de ocupação”, esclarece a secretária.

Flávia ressalta, ainda, que a Covid-19 continua sendo um problema de saúde pública, principalmente pela possibilidade de ocorrerem casos graves em população de maior risco. “É extremamente importante reforçar as medidas de distanciamento social, o uso de máscara, a lavagem das mãos e o uso de álcool gel”, afirma ela.

A sétima versão do Painel apresenta a análise comparativa entre as Semanas Epidemiológicas 38 (13 a 19 de setembro) e 36 (de 30 de agosto a 05 de setembro). Para a classificação são considerados os seguintes indicadores: taxa de positividade de pacientes testados para coronavírus; variação de casos e óbitos por SRAG; taxa de ocupação de leitos destinados a SRAG; e previsão de esgotamento de leitos de UTI para SRAG.

As cores das bandeiras e os riscos indicados variam entre roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo). Cada nível de risco representa determinado conjunto de recomendações de isolamento social.

Dados gerais

A pasta informa que registra, até esta sexta-feira (2), 270.395 casos confirmados e 18.665 óbitos por coronavírus (Covid-19) no estado. Há ainda 569 óbitos em investigação e 2075 foram descartados. Entre os casos confirmados, 246.212 pacientes se recuperaram da doença.

Niterói

Niterói já alcançou a marca de 12.044 registros de pacientes recuperados do novo coronavírus do início da pandemia até esta sexta-feira (2), informou a Prefeitura.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Niterói, são 12.697 casos confirmados da Covid-19. A cidade já teve 427 vidas perdidas por complicações da doença.

Ao todo o município tem 134 pessoas em isolamento domiciliar sendo acompanhados por profissionais de Saúde. Noventa e dois pacientes continuam hospitalizados. A taxa de ocupação de leitos é de 25%, uma das menores da Região Metropolitana.

São Gonçalo

De acordo com o boletim atualizado da Secretaria Municipal de Saúde, a cidade de São Gonçalo registrou um óbito em decorrência do novo Coronavírus (Covid-19), nesta sexta-feira (2), chegando a 690 no total. O município apresenta, atualmente, baixo risco de contaminação.

Até o momento, São Gonçalo contabiliza 15.921 casos confirmados, 14.050 curados, 53 hospitalizados na Rede Pública Municipal de Saúde, 1.128 em quarentena domiciliar, 690 óbitos confirmados e dois óbitos em investigação.

Maricá

Maricá registra, até esta sexta-feira (2), 4.024 casos confirmados e
121 óbitos por Covid. Estão curadas da doença 3.837 pessoas e há no momento 66 casos ativos, além de 18 óbitos em análise pela Secretaria de Estado de Saúde.

Brasil

O Brasil bateu a marca de 145 mil mortes em função da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram 708 novos registros de vidas perdidas para a covid-19, totalizando 145.388. Até quinta, o total de vítimas fatais da pandemia estava em 144.680. Outros 2.424 óbitos estão em investigação.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgados pela pasta no início da noite desta sexta-feira (2). O órgão consolida informações enviadas pelas secretarias estaduais de saúde de todo o país.

Conforme o balanço, o total de casos de covid-19 atingiu 4.880.523. Entre ontem e hoje, as secretarias de saúde acrescentaram às estatísticas 33.431 novos diagnósticos positivos da doença. Até ontem, o painel do Ministério da Saúde marcava 4.847.092 casos desde o início da pandemia.

Ainda há 502.542 casos em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, outras 4.232.593 pessoas já se recuperaram da doença.

Com Agência Brasil

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *