sábado, 24 de outubro de 2020

Rio testa tecnologia para reforçar segurança pública

Projeto piloto entrará em operação no Carnaval (Foto: Divulgação/ Governo do Estado)

A Secretaria de Estado de Polícia Militar vai experimentar novas tecnologias para reforçar a segurança no estado do Rio de Janeiro. Entre as iniciativas está a implantação do programa de reconhecimento facial e de placas de veículos, que começará a ser testado no Carnaval deste ano, em Copacabana.

Resultado de uma parceria entre as secretarias de Polícia Militar e Civil, Detran, Prefeitura do Rio de Janeiro e Oi, o programa foi concebido a partir de um software desenvolvido pela empresa de telefonia. Se aprovado, o projeto piloto, sem ônus para o Estado, servirá de base para o termo de referência de uma futura licitação, com a possibilidade de participação de outras empresas.

Utilizando de forma integrada as câmeras instaladas em Copacabana, o sistema consiste no envio de informações online para uma central, que ficará instalada no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). As imagens faciais e das placas dos veículos serão analisadas por operadores que utilizarão os bancos de dados da Polícia Civil e do Detran. A gestão operacional do sistema ficará restrita ao estado, que terá o controle do banco de dados. O suporte da Oi será apenas na tecnologia oferecida.

“Em uma blitz ou mesmo em um bloco de Carnaval, podemos detectar de forma imediata a presença de um criminoso ou de um carro roubado”, explicou o secretário de Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, ressaltando que o programa será implantado praticamente a custo zero para o Governo do Estado.

Registros de ocorrências

A Secretaria de Polícia Militar também planeja implantar os registros de ocorrências de baixo potencial ofensivo. Nos casos de menores gravidades, como pequenos furtos e desentendimento entre vizinhos, os policiais militares não precisarão mais conduzir os envolvidos à delegacia e ficar à espera do registro. Eles enviarão o registro por uma plataforma digital, que estará interligada ao sistema da Polícia Civil e do batalhão da área. O projeto-piloto acontecerá na Ilha do Governador.

Os PMs que participarão do projeto-piloto estão sendo treinados na Academia de Polícia Civil. Em menos de 30 minutos, o registro de ocorrência estará concluído e os policiais militares, liberados para o patrulhamento das ruas. Atualmente, um registro de ocorrência, independentemente da gravidade do fato, é feito em duas horas.

“Estudos mostram que 68% das ocorrências são de baixo potencial ofensivo ou as chamadas assistenciais. Esse projeto vai dinamizar o policiamento e será replicado em todo o estado, na medida em que passarmos a dominar todo o sistema”, afirmou o coronel.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *