sábado, 10 de abril de 2021

Rodoviários de Niterói e região decidem greve na próxima semana

ônibus, Terminal Rodoviário de Niterói João Goulart, Terminal, Niterói
Urnas serão instaladas nos terminais de ônibus de Niterói e São Gonçalo, além das garagens das empresas. Foto: Vítor Soares

A votação que vai decidir ou não pela greve dos rodoviários de Niterói e região, prevista para iniciar no próximo dia 26, está marcada para os dias 12 e 13 de abril.

O Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) diz que a paralisação reivindica a inclusão dos profissionais de transportes coletivos no grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19.

Urnas serão instaladas nos terminais de ônibus de Niterói e São Gonçalo, além das garagens das empresas. A medida visa evitar aglomerações, que seriam inevitáveis com a realização de assembleias, neste momento grave da pandemia.

“O resultado do plebiscito entre os rodoviários será anunciado até 16 de abril. É importante destacar que todos os votantes têm que apresentar suas carteiras funcionais e haverá uma lista com as assinaturas para comprovar a isenção do processo. Vivemos um momento muito difícil da pandemia e as assembleias provocam aglomerações, o que é muito perigoso”, destaca o presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira.

Nesta quinta-feira (7) pela manhã, o secretário de Trânsito e Transportes de Niterói, Murilo Moreira Júnior, se reuniu com a diretoria do Sintronac, na sede da entidade, e prometeu levar, ainda essa semana, ao Gabinete de Crise municipal, criado para o combate à pandemia, a proposta de que os rodoviários sejam incluídos no grupo a ser imunizado com a chegada das 800 mil doses da vacina russa Sputnik V, prevista para maio.

“Teremos uma resposta até a próxima terça-feira (13). Estamos juntos nessa briga”, disse o secretário.

A greve proposta pela diretoria do Sintronac, com início em 26 de abril, pretende reunir, por adesão, rodoviários do Rio de Janeiro, Niterói, Maricá e Itaguaí, além de metroviários, ferroviários e trabalhadores das barcas, que, apesar de integrarem os grupos prioritários no Plano Nacional de Vacinação, foram deixados de fora nas campanhas de imunização dos municípios. Os rodoviários da capital, Duque de Caxias e Nova Iguaçu já sinalizaram que estão dispostos a integrarem o movimento.

No entanto, o Sintronac pretende expandir a mobilização para todos os municípios de sua área de atuação, que inclui: Araruama, Armação dos Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Iguaba Grande, Itaboraí, Maricá, Niterói, Rio Bonito, São Gonçalo, São Pedro da Aldeia, Saquarema e Tanguá.

“Os trabalhadores em transportes são essenciais na hora de servir, mas não o são para a vacinação. Isso não está correto. Há companheiros internados nos hospitais públicos, muitos morreram e nosso contato com o público é direto, até na hora de pegar dinheiro e dar o troco das passagens. Também estamos sem reajuste salarial há 18 meses e sofremos pesadas demissões no setor. Poucos trabalhadores foram tão sacrificados por essa pandemia. O que está acontecendo não é justo”, conclui Rubens Oliveira.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *