quinta, 21 de janeiro de 2021

São Gonçalo se aproxima de 1 mil vidas perdidas pelo novo coronavírus

De acordo com a prefeitura, já foram registrados 991 óbitos por complicações do novo coronavírus. Foto: Ascom SG

São Gonçalo registrou 12 óbitos em decorrência do novo coronavírus, nesta quarta-feira (30), chegando a 991 no total, informou o governo local. Com isso, a taxa de vidas perdidas por complicações da doença está ainda mais próxima de chegar a 1 mil nos próximos dias.

As novas mortes são de moradores de Itaúna, Mutondo, Centro, Jardim Catarina, Laranjal, Monjolos, Itaúna, Venda da Cruz, Lindo Parque e Boaçu.

Desde o início da pandemia, a cidade contabiliza 32.540 casos confirmados e 29.841 curados. Segundo o boletim atualizado da Secretaria Municipal de Saúde, a cidade tem 63 pacientes hospitalizados na Rede Pública Municipal de Saúde, 1.645 em quarentena domiciliar, 991 óbitos confirmados e 75 óbitos em investigação.

Sanitização

A sanitização nos bairros de São Gonçalo continua nesta semana, com intuito de conter a transmissão do coronavírus e diminuir a taxa de infecção. Na segunda-feira (28), os agentes de controle de endemias percorreram as ruas do Arsenal, Guaxindiba, Jardim Catarina e Trindade.

Já na terça-feira (29), o serviço seguiu pelos bairros Engenho do Roçado, Marambaia, Santa Luzia, Luiz Caçador e Recanto das Acácias. O material empregado é a mesma tecnologia utilizada em Wuhan, na China, a amônia de quinta geração diluída em glicerina vegetal.

O produto age como uma película que mata os micro-organismos que estão no local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e forma uma camada protetora que mantém o local desinfetado, explicou a prefeitura.

“A sanitização das ruas, avenidas e unidades de saúde é extremamente importante para conter a doença no município. No Centro e no Alcântara há uma atenção especial por serem locais com grande concentração de pessoas. O quaternário tem a função desinfetante”, explica o prefeito José Luiz Nanci.

De acordo com Adaly Fortunato, diretor da Vigilância Ambiental, as motos são monitoradas por GPS e acompanhadas em tempo real direto da base do órgão. A tecnologia permite que seja acompanhada a que velocidade a moto está circulando, o exato momento em que o produto começa a ser liberado e a quantidade que é aplicada durante a operação.

“As motos têm duas velocidades. O deslocamento da base até o local da ação a velocidade máxima é de 60 quilômetros. Quando o produto começa a ser liberado, a velocidade é de 10 a 15 quilômetros para que todos os locais possam ser atendidos. Outra vantagem é que a cada cinco segundos nós acompanhamos as informações e podemos ver a eficácia da ação”, relata Adaly Fortunato.

Na quarta-feira (30), a sanitização acontece nos bairros Rio do Ouro, Monjolos, Largo da Ideia, Tribobó e Mutondo. Devido ao feriado de Ano Novo, o serviço para nesta quinta-feira (31) e retorna na segunda seguinte.

Unidades de saúde

O trabalho de sanitização nos locais que estão realizando testagem ou recebendo pacientes com Covid-19 também está sendo mantido. Nesta semana, agentes realizaram reforço na proteção contra o coronavírus no Centro de Triagem e no Complexo Hospitalar Luiz Palmier, no Zé Garoto, e no Hospital Franciscano Nossa Senhora das Graças, em Lagoinha.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *