terça, 20 de outubro de 2020

Secretário de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento toma posse na UFF

O secretário de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, senador Eduardo Lopes (PRB), foi empossado na manhã desta quarta-feira (16), no Teatro da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Icaraí, Zona Sul de Niterói. A cerimônia contou com a presença do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Em seu primeiro discurso como secretário, Lopes enfatizou a importância de se privilegiar o pequeno produtor e uma das medidas para isso é o Projeto de Lei 8.244/2018, já aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), de autoria do deputado estadual do PRB Carlos Macedo, que obriga a inclusão majoritária de produtos derivados da produção rural do estado nas refeições produzidas pelas instituições públicas estaduais, como escolas, hospitais e presídios.

O secretário Eduardo Lopes em seu discurso no Teatro UFF (Foto: Davi Fernandes)

“Estimamos que essas ações beneficiem mais de dez mil famílias de pequenos produtores, já que a compra inclusive será realizada através das próprias associações e cooperativas dos pequenos produtores, o que gera um crescimento de produção e de venda por parte deles”, explicou.

O senador informou também que um dos objetivos do governo é conseguir atingir com o agronegócio 10% do PIB do estado do Rio de Janeiro, nos próximos quatro anos.

 “A ambição do nosso governo é aumentar a produção do agronegócio como um todo, contribuindo com o desenvolvimento econômico e social. Nosso propósito é que o agronegócio no estado atinja 66 bilhões de reais ao ano”, disse.

Segundo Eduardo, o diferencial de sua gestão é “considerar cada indivíduo como peça elementar e indutora no desenvolvimento sustentável agropecuário, agrícola e pesqueiro do estado”.

Entre as metas da Secretaria, ele citou a estruturação dos cursos de capacitação nos diversos níveis de formação acadêmica; recuperação anual de seis mil quilômetros de estradas vicinais garantindo o escoamento da produção; ampliação dos serviços de assistência técnica e extensão rural aos produtores e pescadores; e garantia da segurança alimentar dos produtos ofertados ao povo do estado pela prestação de serviços de fiscalização, vigilância e inspeção sanitárias.

“O Rio tem a terceira arrecadação bruta e o segundo PIB do Brasil. É um estado forte. Só que na agricultura, na pecuária e pesca, especialmente na agricultura, o Rio importa 70% dos legumes, verduras e frutas consumidos no estado. Temos que reverter essa situação, importar menos, produzir mais e quem sabe até exportar”, vislumbrou.

O governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou que a realidade da agricultura do estado não possui nem legado e reafirmou seu compromisso com a pasta.

“Muitos duvidavam do meu compromisso com a agricultura, outros diziam que eu não devia dar prioridade ao que era uma utopia, assim como falaram de forma duvidosa sobre a minha eleição. A esses eu digo: estão errados, eu sou o cara do 1%”, disse se referindo às intenções de voto que tinha no primeiro turno das eleições 2018.

O governador Wilson Witzel se mostrou positivo em relação à pasta (Foto: Davi Fernandes)

Também estiveram presentes na solenidade o reitor da UFF, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, os subsecretários da pasta Ramon de Paula Neves e Aguinaldo Balom, além de membros da Alerj, os prefeitos de Itaperuna, Valença, Barra do Piraí e Cambuci e o vice de Trajano de Moraes. Além dos presidentes de empresas ligadas à Secretaria, como Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio de Janeiro (Emater-Rio), Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro-Rio), Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) e Centrais de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro (Ceasa-RJ).

Terminal Pesqueiro em Niterói

Eduardo Lopes também discorreu sobre as expectativas relacionadas ao município de Niterói. No Barreto, Zona Norte da cidade, existe um terminal pesqueiro, inativo desde a sua inauguração. Segundo o secretário, já existe um ajuste de conduta junto ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Secretaria do Meio Ambiente para fazer a dragagem do canal São Lourenço, que se encontra assoreado. Contudo, segundo ele, a partir do estudo realizado já é possível dizer que o canal pode ser utilizado durante quatro a seis horas na maré cheia.

“Ontem (15) mesmo nós tivemos uma reunião sobre esse terminal público, mas temos que tratar com o governo federal. A intenção é o estado assumir isso. Já estamos tratando desse assunto e estudando a melhor maneira com isso será feito”, informou.

Eduardo Lopes falou aos jornalistas sobre o Terminal Pesqueiro do Barreto (Foto: Davi Fernandes)
(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *