sexta, 15 de janeiro de 2021

Sem festa da virada, Saara registra queda nas vendas

Comércio popular do Centro do Rio teve baixa procura neste final de ano. Foto: Vítor Soares

Um dos comércios populares mais movimentados da cidade do Rio, o Saara, este ano não deve ser de grandes procuras por artigos e roupas para celebrar a chegada do novo ano.

Por conta dos cancelamentos do réveillon em Copacabana e de festas em outros pontos da cidade, muita gente parece ter desanimado e deixado de lado o clima de euforia.

A situação se reflete num dos centros comerciais mais movimentados da cidade. Segundo estimativa, as vendas, no mês de dezembro, devem cair 7% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Este ano tivemos pandemia, não há como fugir disso. As quedas foram entre 6% e 7% em relação a dezembro do ano passado. Vamos ver se com vacina as coisas retornam à normalidade”, revela o presidente do Polo Saara, Eduardo Blumberg.

Segundo Blumberg, a pandemia, aliada aos cancelamentos das festividades, contribuiu para o baixo desempenho nas vendas.

“Ficamos cerca de cem dias parados, entre março e junho. A gente achou que dezembro poderia ser melhor, mas não foi o que aconteceu. Por conta desses fechamentos e do fim das festas de réveillon, alguns lojistas nem sequer reforçaram os estoques. Foi coisa que já tinha mesmo”, explicou.

A expectativa, ele conta, é que as coisas melhorem já no primeiro trimestre do ano que vem. Por conta da baixa adesão, alguns lojistas não reforçaram itens e artigos que remetem ao réveillon ou tiveram que mudar o foco nas vendas.

“Aqui eu não comprei muita coisa relacionada às festas porque as pessoas vão ficar em casa. A procura não tá sendo muito grande. Temos poucos produtos relacionados a isso”, confirma a gerente de uma loja de roupas, Vivi Zheng.

A prefeitura do Rio anunciou, na semana passada, que não haverá a tradicional queima de fogos em Copacabana e que fechará, toda a orla da cidade aos carros. A medida prevê evitar aglomerações por conta do aumento no número de casos do novo coronavirus.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *