quarta, 25 de novembro de 2020

Tartarugas aproveitam feriado na Praia de Icaraí

Tartarugas foram vistas na Praia de Icaraí. Foto: Pedro Conforte

Tartarugas foram vistas ‘curtindo’ o feriado desta terça-feira (21) nas águas da Praia de Icaraí, na Zona Sul de Niterói. Os animais voltaram à aparecer na Baía de Guanabara durante o período de isolamento social nas cidades de Niterói e Rio, que proíbem o acesso de banhistas à orla.

Neste mês, as praias da baía também registraram águas mais cristalinas. Mas de acordo com o oceanógrafo, engenheiro ambiental e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), David Zee, o fenômeno não tem ligação direta com a ausência de banhistas.

Segundo o pesquisador, duas razões contribuem para o clareamento das praias e o reaparecimento de espécies marinhas. Primeiro, a relação das marés com as fases da Lua, principalmente nos períodos de Cheia e Nova. Outro fator é a chegada do outono e a aproximação de frente frias.

“Nesses períodos, temos a maré astronômica de sizígia, que é o alinhamento do Sol e a Lua. Desta forma, a atração gravitacional da maré dá maior amplitude. Ou seja, a água fica mais alta na maré alta, e mais baixa na maré baixa. Além disso, estamos no outono com entradas de frentes frias, que trazem a água limpa do alto mar. Praias que ficam na boca da Baía, como Icaraí, Flamengo e Botafogo são inundadas por essa água boa, encurralando a água suja para dentro”, explicou.

Segundo Zee, é com a renovação das águas que as tartarugas voltam a aparecer na superfície, principalmente próximas às pedras. Isso porque, a maré mais alta também traz outros tipos de organismos marinhos, como algas, moluscos e crustáceos.

“A tartaruga fica próxima às pedras, porque é ali que encontra material marinho encrustado, como mexilhões, ostras e uma série de outros organismos. É chamado o processo de pastejo, em que elas acham espaço para se alimentar. As pedras do Rio de Janeiro são ótimas de fixação”, esclareceu.

Em nota, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão ligado à Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas), informou que o aumento no aparecimento de tartarugas se alimentando próximo à praia pode ter se dado pela diminuição da movimentação de embarcações, o que gera menos ruído.

Publicada às 18h24

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *