quinta, 04 de março de 2021

‘Vacina Fake’ e o perigo do humor com desinformação

Camelódromo de Madureira em frente à quadra da Império Serrano: piada entre comerciantes. Foto: Marcelo Tavares

A divulgação de uma suposta vacina contra a Covid-19 sendo vendida próximo à passarela da quadra da escola de samba Império Serrano, em Madureira, na Zona Norte do Rio, tomou conta da web essa semana e alerta para a força do boato disfarçado de humor, que pode pode levar muitas pessoas a acreditaram em fake news.

Em tom de sátira, o imunizante era comercializado por R$ 50 entre comerciantes do subúrbio carioca. Quem já quisesse sair vacinado do local, bastaria pagar mais R$ 10.

Imagem viralizou nas redes sociais com suposta vacina chinesa contra a Covid-19. Foto: Rede Social

No local, os ambulantes reagiram de forma bem-humorada quando souberam da ‘vacina fake’.

“Aqui tem de tudo: sandália, roupa, celular, brinquedo. Só não tem a vacina contra a Covid-19. Isso que fizeram foi uma brincadeira, é mentira. Até vieram alguns guardas fazendo ronda aqui esses dias para saber, mas é mentira”, brincou Pedro Belo, de 28 anos, ambulante da área.

No camelódromo foi possível ver diversos produtos à venda, menos a tal vacina chinesa.

“Eu realmente vi isso nas redes sociais. Aqui o pessoal até comentou, mas parece que foi uma brincadeira”, relatou outro trabalhador do comércio popular.

Passarela próximo à estação de Madureira ficou famosa após informação de que no local era vendida a vacina. Foto: Marcelo Tavares

A informação em tom de comédia ganhou a imprensa carioca e de outros estados, que acabaram “vendendo” como se fosse verdade o assunto.

Pesquisadora do Laboratório de Pesquisa em Comunicação e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT) da Fiocruz, Izamara Bastos Machado explica a importância da informação correta, sobretudo no que envolve saúde pública e o cuidado na checagem das informações divulgadas nas redes sociais.

“Trata-se de um assunto muito sério que é a saúde da população. Estamos vivendo uma das maiores crises sanitárias do país e do mundo. Hoje, gasta-se muito tempo tentando esclarecer informações truncadas ou mentirosas que circulam nas redes sociais. Esse tempo precioso dos jornalistas precisa ser investido em problematização e questionamento em assuntos realmente importantes”

Izamara Bastos, pesquisadora da Fiocruz

No Brasil, a vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, se encontra em fase de testes e ainda não está em condições de liberação para a população, segundo o próprio instituto. Em diferentes países, outros imunizantes de diferentes farmacêuticas já estão sendo administradas, mas ainda em fase preliminar. No Brasil, a expectativa é que a partir de janeiro seja dado início a vacinação dentro dos planos definidos pelas administrações públicas.


(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *