terça, 22 de setembro de 2020

“Espraiado de Portas Abertas” neste domingo em Maricá

Vera, Ilma Macedo e Maria de Lourdes Pereira formam o grupo de tapeceiras. Foto: Divulgação – Prefeitura de Maricá

“A gente crê que vai vencer, tem que ter esperança.” A frase é de Vera Lúcia, uma das tapeceiras do grupo que resiste no Espraiado. Vera, Ilma Macedo e Maria de Lourdes Pereira formam o grupo de tapeceiras que aprenderam o ofício com Madeleine Colaço e que agora têm um motivo a mais para sorrir: a Prefeitura declarou no último dia 15 de janeiro, a Arte da Tapeçaria do Espraiado como Patrimônio Histórico, Artístico, Ambiental e Cultural do município.

O subsecretário de Comércio, Empreendedorismo e Defesa do Consumidor, Luciano Leal, contou que a iniciativa  pretende estimular o crescimento da arte.

“O tombamento visa a criação de políticas públicas de fortalecimento da arte na cidade. Esta proposta consiste na estruturação das ações de proteção e conservação da Arte da Tapeçaria, difundida e enraizada no bairro do Espraiado”, disse.

Ainda segundo Luciano, esse tombamento é uma forma de fortalecer as raízes culturais da cidade.

“Antes de pensar em futuro é importante conhecer e preservar na memória e fontes culturais, no sentido da afirmação de sua identidade e pertinência a sua cidade. Se as pessoas têm conhecimento de suas próprias origens e conscientemente sabem da relevância das mesmas para suas vidas, passarão a valorizar transmitindo-o para as gerações futuras”, completou.

“O tombamento é muito importante para que a arte fique viva, senão daqui a pouco ninguém fala mais sobre – ninguém mais aprende a tapeçaria”, disse a tapeceira Maria de Lourdes Pereira.

“A gente já considerava a tapeçaria patrimônio de Maricá desde que a Madeleine Colaço escolheu o Espraiado para viver.  Agora, com o tombamento, a gente pode ter mais força, mais esperança de que a nossa arte não vai acabar. Com o apoio da Prefeitura estamos esperançosas de que tudo vai melhorar”, contou Ilma Macedo, que é coordenadora do grupo das tapeceiras.

Ela explicou o porquê do diferencial da arte. “Todas as telas são peças únicas, não sei em outros lugares, mas aqui inclusive fazemos pontos diferenciais, como o “rabo de rato”. Não tem bordado com esse ponto, ele foi criado pela Madeleine Colaço, que deu certo.  Até hoje esse ponto é um destaque aqui para a gente”, disse.

Neste domingo (2) será realizado mais uma edição do evento “Espraiado de Portas Abertas”, onde são apresentadas bebidas, comidas, artesanato e músicas típicas do local. 

As obras de tapeçaria estarão disponíveis para os visitantes durante a festa. O ateliê das tapeceiras do Espraiado fica na Estrada Duas Águas, em frente ao Bar do Djalma.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *