quarta, 21 de outubro de 2020

Imperatriz vence na Série A, Porto da Pedra fica em terceiro

A Imperatriz Leopoldinense venceu na Série A e retorna ao Grupo Especial em 2021. Foto: Plantão Enfoco
A Imperatriz Leopoldinense venceu na Série A e retorna ao Grupo Especial em 2021. Foto: Plantão Enfoco

Quem levou a melhor na Série A do carnaval carioca foi a Imperatriz Leopoldinense, que gabaritou todos os quesitos e garantiu o acesso ao Grupo Especial em 2021, com 270 pontos. A Unidos do Porto da Pedra, de São Gonçalo, ficou na terceira posição, enquanto as Acadêmicos do Cubango e Sossego, ambas de Niterói, ficaram na quinta e oitava colocação.

Rebaixada no ano passado, a agremiação revisitou a homenagem que fez em 1981 ao compositor Lamartine Babo e levantou a arquibancada. Com o samba na boca dos foliões, a escola conseguiu manter a energia do início ao fim do desfile. Nomes conhecidos também integraram à comunidade de Ramos na passagem pela Sapucaí, como a cantora Iza como rainha da bateria.

Tigre

Mesmo enfrentando dificuldades, a Porto da Pedra ficou na terceira colocação. Foto: Plantão Enfoco

Mesmo enfrentando dificuldades financeiras na construção do carnaval, o Tigre de São Gonçalo garantiu a terceira colocação, com 269,2 pontos conquistados. A escola trouxe o enredo “O que é que a baiana tem? Do Bonfim à Sapucaí”, desenvolvido pela carnavalesca Annik Salmon, que não achou o resultado justo. Para a artista, houve uma contradição de notas em quesitos que se complementam.

“Diante de todos os problemas que a gente teve, durante todo o processo criativo de carnaval, o terceiro lugar vale muito. Só achei injusto a nota de bateria. Não consegui entender onde foi esse erro, se em harmonia e samba-enredo nós tiramos tudo 10”, criticou.

A carnavalesca também evidenciou que a falta de recursos também pode ter comprometido o desfile da Porto da Pedra, que trouxe três alegorias e um tripé, com um total de 1,5 mil componentes. Segundo Annik, se o repasse pelo município tivesse sido feito, a escola teria se saído melhor em quesitos como de fantasia, alegoria e adereços.

“Se tivéssemos o dinheiro da Prefeitura, tudo seria muito melhor. A gente vê que quem tá ganhando, tanto no especial quanto na série A, é quem tem dinheiro. Não para investir somente no processo de criação de carnaval, mas para investir em profissionais. São artistas que fazem o desfile, não tem como as pessoas trabalharem de graça, como aconteceu esse ano. Isso não existe, são pessoas que batalharam e estudaram para isso, temos que valorizar”, disse.

O desfile do Tigre ainda contou com a participação do coreógrafo Carlinhos de Jesus, que comandou o time da comissão de frente. Trazendo nas fantasias “a esperança de uma raça”, a comissão simbolizou a força que as mulheres negras têm nas mãos, que produzem os famosos quitutes baianos.

Cubango

Imprevistos na Avenida acabaram dando a Cubango a quinta colocação. Foto: Plantão Enfoco

Quinta colocada, com 268,8 pontos, a Acadêmicos do Cubango sofreu com imprevistos durante a passagem pela Marquês de Sapucaí e foi prejudicada. A escola já iniciou a apuração com um décimo a menos, por problemas em um dos carros alegóricos. A agremiação da Zona Norte de Niterói trouxe para a avenida, a história do intelectual negro Luiz Gama, considerado o Patrono da Abolição da Escravidão no Brasil.

Para o presidente da escola, Rogério Belisário, a perda do décimo foi justa, uma vez que não há como negar as dificuldades enfrentadas na avenida. Além de problemas na hora de acoplar o Abre-Alas, os integrantes ainda precisaram segurar parte da estrutura de um cavalo à frente do segundo carro, que se desprendeu. No entanto, em outros quesitos, o mandatário também não concorda com a avaliação.

“Por exemplo, fantasia, comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira. Teve escola de samba que não apresentou nada e tirou nota mais alta que a nossa. Eu não quero saber depois das justificativas dos jurados, o que interessa é o resultado”, indignou-se.

A agremiação da Zona Norte de Niterói trouxe, ao todo, 2,3 mil componentes em 21 alas, além de três carros alegóricos e um tripé. O enredo da agremiação, ‘A Voz da Liberdade’, foi elaborado pelos carnavalescos Raphael Torres e Alexandre Rangel.

Sossego

Nos 50 anos da escola, a Acadêmicos do Sossego ficou na oitava posição. Foto: Plantão Enfoco
Nos 50 anos da escola, a Acadêmicos do Sossego ficou na oitava posição. Foto: Plantão Enfoco

A Acadêmicos do Sossego ficou na oitava posição, com 268,1 pontos. A escola do Largo da Batalha entregou o enredo “Os Tambores de Olokun”, em comemoração aos 50 anos da escola, que misturou samba com o Maracatu. Ao todo, a agremiação trouxe para a avenida 2,1 mil componentes, divididos em 24 alas.

Explorando as cores para driblar a corrida contra o tempo, a escola apresentou três carros alegóricos, sendo um deles tripé, todos seguindo o cronograma de montagem. A escola mostrou à comunidade do samba uma verdadeira mistura de ritmos com o Maracatu, que tem origem no estado de Pernambuco e vem acompanhado de dança, ritual e sincretismo religioso.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

1 thought on “Imperatriz vence na Série A, Porto da Pedra fica em terceiro

  1. Porquê foi divulgado somente primeira, terceira, quinta e oitava colocadas? E as outras? Nao seria mais correto informarem a classificação da primeira a ultima colocada?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *