sábado, 15 de maio de 2021

Com reservas, Vasco perde do Madureira na primeira semifinal da Taça Rio

Vasco e Madureira brigam por vaga na final da Taça Rio. Foto: Reprodução

Atuando com praticamente todo o seu time reserva, o Vasco foi derrotado neste sábado (1º) pelo Madureira no primeiro jogo das semifinais da Taça Rio, em Conselheiro Galvão. O time da casa aproveitou expulsão precoce de Laranjeira e venceu por 1 a 0, gol de Sampaio.

O Cruz-Maltino controlou as ações do primeiro tempo, tendo mais posse de bola, embora não tenha criado muitas chances de gol. O lance mais perigoso da primeira etapa foi um chute colocado de Léo Jabá, aos 26, acertando o travessão. Ele deu um lindo corte no zagueiro e, da entrada da área, tirou do goleiro Felipe Lacerda. A bola explodiu na furquilha e saiu.

Na sequência, aos 28, o Vasco sofreu um duro golpe. O jovem Laranjeira acabou expulso com menos de meia hora de jogo ao receber o cartão amarelo por acertar um chute na nuca de Humberto em dividida pelo alto. Como já havia sido punido três minutos antes por puxar a camisa do adversário em lance na intermediária, ele foi para o vestiário mais cedo.

A partir daí, o cenário da partida se reajustou. Com mais espaço, o Madureira passou a valorizar mais o jogo, rodando a bola no segundo terço à procura de espaços. O Vasco, com menos um, recuou um pouco as linhas para buscar os contra-ataques.

Aos 38, o volante Romulo foi substituído em sua reestreia pelo clube. Ele sentiu uma fisgada na coxa e a comissão técnica preferiu poupar o jogador. Em seu lugar, entrou Caio Lopes, buscando preencher espaços na intermediária e dar mais intensidade na saída de bola – algo fundamental para o Cruz-Maltino tentar encontrar espaços deixados pelo avanço do Tricolor Suburbano.

O jogo esquentou, com entradas duras e muitas reclamações do banco de reservas do Vasco, tentando pressionar a arbitragem para expulsar também um jogador do Madureira. Apesar da tensão e muita correria, a partida não teve outras grandes oportunidades até o intervalo.

Segundo tempo

A segunda etapa começou com tudo. Com menos de um minuto, o Madureira quase abriu o placar em bonita trama ofensiva. Com a bola quicando dentro da área, Sampaio cruzou de calcanhar e Rodrigo Yuri, livre, de frente para o gol, soltou a bomba da marca do pênalti. A bola passou raspando no travessão e foi direto para fora.

Aos 8, o Madureira chegou com perigo novamente. Rodando a bola para desgastar o sistema defensivo vascaíno e criar espaços dentro da área, Sillas ajeitou virada de jogo com de peito, Bruno Oliveira cruzou e a bola sobrou limpa para Elias, com liberdade, chutar por cima da meta de Vanderlei.

O Vasco não conseguiu resistir à forte pressão dos donos da casa. Aos 13, Humberto tocou por cima de Riquelme, Sillas infiltrou e cruzou no segundo pau para Sampaio vencer a marcação de Cayo Tenório e empurrar para a rede.

Nem mesmo a vantagem no placar foi capaz de frear o Madureira. Pela vantagem numérica em campo, a equipe decidiu continuar pressionando para tentar aumentar a vantagem. Aos 27, Juninho recebeu cruzamento de Bruno Oliveira e finalizou com força, mas Cayo Tenório impediu o segundo gol.

A equipe de Marcelo Cabo buscava contra-ataques, mas o Tricolor esteve sempre muito bem postado em campo, sem permitir chegadas perigosas. Aos 32, em contragolpe do Madureira, Sillas ajeitou de cabeça para o meio da área e Sampaio chegou finalizando com perigo, mandando à direita do gol.

Em um de seus raros ataques perigosos, o Vasco quase empatou o confronto. Juninho tabelou com Bruno Gomes e saiu frente a frente com o goleiro Felipe Lacerda, que defendeu finalização à queima-roupa. No rebote, João Pedro chegou para empurrar para o gol, mas Rodrigo Yuri dividiu e evitou o empate, vibrando como se tivesse marcado.

No fim, com as duas equipes exaustas, os visitantes não conseguiram reagir. O Madureira, que administrou bem a vantagem e criou diversas chances para ampliar, acabou merecendo a vitória – que saiu barata para o Cruz-Maltino.

Como tem a vantagem de dois resultados iguais, o Vasco joga por uma vitória simples na partida de volta, no próximo sábado (8), em São Januário, às 16h. Quem passar encara o vencedor entre Botafogo e Nova Iguaçu em dois jogos finais. O campeão da Taça Rio levará R$ 800 mil como premiação.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');