domingo, 25 de outubro de 2020

Rio promove festival online de arte marcial

Luiza Galini, 9 anos, aluna da Vila Olímpica da Penha, participa do festival virtual de karatê. Foto: Divulgação / Prefeitura do Rio

Imagine uma disputa virtual na qual os praticantes de karatê demonstram formas de lutas imaginárias – e o nome dessa sequência de movimentos com técnicas de ataque e defesa chama-se kata.

Para dar um golpe na monotonia da garotada durante a quarentena provocada pelo novo coronavírus, a Prefeitura do Rio, por meio da Subsecretaria de Esporte e Lazer (Subel), lançou nesta semana o 1º Festival de Kata das vilas olímpicas. Mais de 50 alunos, de 9 até 17 anos, se inscreveram.

Como o torneio não é presencial, os participantes têm até o fim do mês para fazer seus vídeos em casa e enviar para avaliação de uma banca de professores de Educação Física, que vai eleger os melhores.

O festival é uma iniciativa da coordenadora e professora Carolina Torres, há quase dois anos trabalhando na Vila Olímpica do GREIP, na Penha, sem deixar de lado um dos propósitos do esporte: a integração social.

“Sempre tive o sonho de unir as vilas olímpicas e, com a quarentena, surgiu essa ideia, que imediatamente virou um projeto. É uma realização pessoal. Mesmo à distância, o karatê juntou os alunos. Por isso, sempre digo: o karatê é mais do que um esporte, é uma filosofia de vida”, disse Carolina Torres, de 37 anos, que desde os 8 pratica a arte marcial.

Dedicação fantástica

Além do GREIP da Penha, estão participando os alunos de mais seis equipamentos esportivos da Prefeitura: a Vila Olímpica Carlos de Castilho, no Alemão; a Vila Olímpica Professor Manoel José Gomes Tubino, no Mato Alto; a Vila Olímpica Aldo Micolis, no Encantado; a Vila Olímpica do Vidigal; a Vila Olímpica da Maré; e a Vila Olímpica Polo Jardim Bangu.

“Tem criança se virando para enviar o vídeo. É uma dedicação fantástica, muito bonito de se ver. Esse evento cria motivação para todos em meio a esse momento tão difícil. O número de participantes é bem expressivo e já tem alunos adultos querendo disputar a próxima edição”, declarou a professora, que atua desde 2014 nas vilas olímpicas.

Publicado às 13h21.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *