sexta, 30 de outubro de 2020

Alerta para violência doméstica em Maricá

A violência doméstica é algo preocupante em Maricá, segundo dados apresentados pela delegada Carla Tavares, titular da distrital do município, a 82ª DP. Do total de ocorrências registradas em 2018 na delegacia, 12% estão ligadas diretamente a casos de agressões contra mulheres dentro do lar. A Polícia Civil, em parceira com a Prefeitura e o Ministério Público, realiza um trabalho para alertar sobre a importância da denúncia de quem é vítima do crime.

“Apesar do crescimento socioeconômico na cidade, ainda existe por uma pequena parte da população um pensamento voltado para o estilo de cidade do interior. É preciso que as vítimas desse tipo de violência entendam que só a partir das denúncias e ocorrências é que a polícia vai iniciar o trabalho de investigação e, possivelmente, finalizando com a penalidade do acusado. Nós temos uma parceria muito importante com outros órgãos que atuam em Maricá”, explicou Carla Tavares.

Carla Tavares disse ainda que os outros 88% das ocorrências registradas na distrital estão direcionadas para casos de prisões, agressões, assaltos e pequenos crimes. A titular está à frente da delegacia de Maricá desde março deste ano. Segundo ela, houve um aumento expressivo nas prisões dentro da cidade durante esse período.

“É possível entender que quando aumenta o número de prisões automaticamente você reduz a criminalidade, seja quando ocorre no tráfico de drogas ou até mesmo em assaltos e furtos. A Polícia Civil vem sendo atuante dentro de Maricá, mas não podemos deixar de dar destaque ao trabalho da Polícia Militar. Trabalhamos em conjunto com o 12º BPM (Niterói) que, apesar de ser um batalhão baseado em Niterói, faz um excelente trabalho aqui na região com a 6ª Companhia e também contamos com o apoio do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), que nos auxilia nas estradas”, revelou.

Tráfico Rio x Maricá

A partir de prisões efetuadas pela 82ª DP, a polícia já conseguiu identificar uma aproximação entre o tráfico de drogas de Maricá com comunidades do Rio de Janeiro e São Gonçalo. Segundo ela, os traficantes não estariam migrando para a cidade, mas sim fornecendo drogas para serem comercializadas em comunidades da mesma facção criminosa.

“Alguns suspeitos presos aqui em Maricá acabam revelando que estão trabalhando vendendo drogas para traficantes do Rio e São Gonçalo. Ainda não houve prisões de criminosos que migraram para nossa cidade, mas identificamos que eles estão abastecendo nossa região. Estamos atuando para identificar e prender os responsáveis”, concluiu. 

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *