quinta, 29 de outubro de 2020

Depois de ser dado como morto, traficante Rato segue vivo em Niterói

Caso aconteceu na Avenida Prefeito Sílvio Picanço. Foto: Arquivo/Ibici Silva

Dado inicialmente como morto pela Polícia Militar, Adriano Silva da Cruz, conhecido como Rato, de 35 anos, continua internado no Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, na Zona Norte de Niterói, com estado de saúde considerado estável. O criminoso é apontado como braço-direito do chefe do Morro do Cavalão, Reinaldo Medeiros Ignácio, o traficante Kadá.

Rato era um dos cinco bandidos que trocaram tiros com policiais militares do Batalhão de Niterói (12º BPM), durante uma perseguição na Avenida Prefeito Sílvio Picanço, no bairro de Charitas, na Zona Sul de Niterói, na manhã de domingo (31). Três deles morreram no local e foram identificados como Mayco de Moura Pacheco, o Bebezão, de 24 anos; Willker Pinto Marinho, de 29 anos; e Eduardo Madureira Festas de Oliveira, de 19 anos.

Os outros dois, sendo Rato e Gabriel Marte de Oliveira, o Revoltado da Vital, de 29 anos, apontado como gerente do tráfico na Comunidade Souza Soares, em Santa Rosa, foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros para a unidade hospitalar. Este último morreu no hospital. Já Rato foi baleado no pé direito e nas costas, seguindo internado.

A ação começou após policiais militares receberem a informação de que um veículo com homens armados trafegava próximo a comunidade do Preventório, em Niterói. O Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) foi acionado e cedeu imagens que mostravam o automóvel entrando na comunidade. Um cerco tático foi montado pelos policiais e quando o carro, HB20 branco, deixou o local as equipes tentaram interceptá-lo.

O local foi periciado e o caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG). Na ação, dois fuzis calibre 556 e uma pistola calibre 380 foram apreendidos.

Festa

A Polícia Civil investiga se o grupo criminoso estava saindo de um baile funk, na Comunidade do Preventório, que teria acontecido na madrugada de domingo (31). Em vídeos que circulam nas redes sociais, os bandidos curtem uma festa fortemente armados, desrespeitando decretos de isolamento social e aglomeração na cidade.

Uma das imagens mostram dois deles, armados com fuzis, em uma ladeira da comunidade. Eles comemoram o aniversário de alguém, com mulheres, já pela manhã, pouco antes do tiroteio com a polícia. Uma delas segura um bolo, enquanto os criminosos ostentam o armamento.

Via grupo Plantão Enfoco

Ministério Público 

Rato é apontado como braço-direito do chefe Reinaldo Medeiros Ignácio, o traficante Kadá, que apesar de cumprir pena em presídio federal de segurança máxima no Rio de Grande do Norte, ainda despacha ordens para o núcleo criminoso no Cavalão, em Icaraí.

O grupo foi alvo de denúncia do MP em 2017, por movimentar cerca de R$ 150 mil por semana com a venda de entorpecentes na Zona Sul. Desde então, dois representantes de ‘Kadá’ na comunidade e sua esposa foram presos pela Delegacia de Icaraí (77ª DP). Rato seria o substituto na linha direta com o chefe, dividindo funções com outro gerente. 

Publicada às 17h30

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *