sábado, 06 de março de 2021

Fim de semana de mortes de policiais militares no Rio

O fim de semana foi triste para a Polícia Militar. Dois agentes da corporação foram mortos neste sábado (20) enquanto realizavam patrulhamento de rotina em diferentes cidades do estado.

Na tarde deste sábado (20), o cabo da PM José Ricardo de Castro Luna, de 40 anos, lotado no 14º BPM (Bangu) acabou atingido no abdome enquanto participava de um patrulhamento na estrada do Engenho, na comunidade da Vila Aliança, em Bangu, na Zona Oeste da cidade. Os policiais foram atacados e o agente acabou atingido.

Houve reação ao ataque criminoso e, na ação, o cabo Luna ficou ferido e foi socorrido para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo. O policial recebeu atendimento médico na unidade de saúde, no entanto, não resistiu.

A agente estava há 12 anos na corporação e deixa esposa e dois filhos. Até o momento, não há confirmação de horário e local do sepultamento.

O cabo Luna participou da captura do suspeito de matar outro colega de farda, o cabo Cardoso, em dezembro, em uma loja de departamento na Baixada Fluminense. O homem foi pego por policiais durante uma operação na Vila Kennedy, na Zona Oeste do Rio, no mesmo mês.

No mesmo dia, mas em outro ponto da cidade, o soldado Wilian da Conceição Fabricio Silva, lotado no 30º BPM (Teresópolis) foi baleado no momento em que verificava uma denúncia no bairro São Pedro, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio. O militar também deixa esposa e dois filhos. A PM disse, em nota, que está prestando assistência às famílias dos agentes mortos e que lamenta as perdas para a corporação.

Estatística

Agentes de segurança mortos já virou realidade em todo o estado do Rio. De acordo com a plataforma Fogo Cruzado, que contabiliza estatísticas referentes à segurança pública, até o final do mês de janeiro foram cinco o número de agentes mortos.

Entre eles, o policial civil, Rodrigo Costa Roboredo, 37 anos, que morreu após uma tentativa de assalto no bairro do Camarão, em São Gonçalo, no dia 13 de janeiro. O agente foi atacado por criminosos enquanto passava pela rua Ricardo Campêlo. Ele acabou atingido na barriga e não resistiu.

Matheus Felipe - militar da marinha, desaparecido em São Gonçalo. Foto: Arquivo Pessoal
Militar teve o corpo carbonizado dentro de um veículo no bairro de Monjolos, em São Gonçalo. Foto: Arquivo Pessoal

Já em fevereiro, o militar da Marinha Matheus Filipe Coelho dos Santos, de 24 anos, teve o corpo carbonizado em um veículo, no bairro de Monjolos, em São Gonçalo, no último dia 14. A polícia civil confirmou que o corpo que estava dentro de um veículo era do jovem.

Matheus havia desaparecido desde a última quinta-feira (11) depois que saiu de casa, no bairro de Santa Luzia e não foi mais visto. O militar era fuzileiro naval e deixa uma filha de quatro anos.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *