terça, 20 de outubro de 2020

Mãe acusa padrasto de abusar da filha de 11 anos em SG

Caso está sendo investigado pela Deam. Foto: Arquivo Plantão Enfoco.

A Delegacia de Atendimento à Mulher investiga um caso de abuso sexual cometido contra uma criança de 11 anos, no bairro Jardim Bom Retiro, em São Gonçalo. De acordo com a mãe da vítima, o próprio padrasto da vítima teria cometido o crime, com quem a mãe vivia até descobrir os abusos. O suspeito está sendo procurado pela polícia.

Em depoimento, a mãe da menina afirma ser dona de casa e tem 28 anos, e também tem outra filha de oito anos. Ela disse que descobriu que a filha era abusada depois de flagrar fotos das partes íntimas da filha no celular do acusado, no último dia 30.  Segundo ela, a menina já realizou exames no Instituto Médico Legal (IML), que comprovaram o crime.

“Há pouco mais de oito meses eu notei que ele havia ficado muito diferente comigo. O nosso contato como casal era quase nenhum. Eu cheguei até a pensar que ele poderia ter uma amante, mas como ele saia do trabalho e vinha direto para casa eu descartei essa hipótese. Em um domingo ele acabou esquecendo o celular em casa, eu fui olhar a galeria de fotos. Não achei nada, no entanto, quando fui na lixeira do celular encontrei as imagens”, lamenta a mãe da criança.

Segundo ela, foi possível reconhecer se tratar da filha porque na foto ela viu uma cicatriz na mão do autor, a mesma que o marido tem na mesma mão. 

“Vi imagens em que não aparecia o rosto dela, mas era ele manipulando as partes íntimas da minha filha. Além disso, na foto eu vi um lençol igual ao meu. Depois não tive dúvidas de que se tratava dela. Quando ele chegou em casa, eu na mesma hora fui confrontá-lo. Ele na hora disse que não tinha feito mal a ela e só mexeu por ‘curiosidade’. Me pediu perdão e disse que tinha sido tentado pelo Diabo, mas eu o mandei embora de casa”, afirmou. 

Um ano de abusos

A mãe da vítima disse que depois de descobrir sobre as fotos foi conversar com a filha. Segunda ela, a criança estava muito quieta em casa e quase não interagia com a família. 

“Eu fico pensando como não percebi nada antes. Eu fazia de tudo para proteger a minha filha e infelizmente não consegui. Fui conversar com ela que acabou me contando sobre a situação. Meu mundo caiu ao ouvir a minha filha falar que ele a forçou a ter relações sexuais com ela, desde os 10 anos”, disse.

A dona de casa contou também que segunda a vítima, o padrasto esperava a esposa dormir para abusar dela e fazia ameaças, caso ela contasse o que acontecia. 

“Ela me contou chorando como ele fazia e eu me senti muito mal, por ela e por mim. Na nossa casa não havia dois quartos, então eu dormia na sala com ele e as meninas no quarto. Minha filha me contou que ele a levava até o sofá onde os abusos aconteciam”, detalhou.

De acordo com Débora Rodrigues, delegada titular da Deam SG, não há mais dúvidas sobre o ocorrido e o próximo passo é localizar o acusado.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *