sábado, 19 de setembro de 2020

Maricá registra aumento nos casos de violência sexual

Números aumentaram de 2018 para 2019, segundo dados do ISP. Foto: Arquivo/EBC

Dados divulgados no Dossiê Mulher, produzido pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), na última semana, mostram que, em 2019, os casos de violência sexual na cidade de Maricá aumentaram 24% se comparado ao ano anterior.

De acordo com os dados, a violência sexual engloba casos de tentativa de estupro, assédio sexual, importunação ofensiva ao pudor e ato obsceno. Em 2018, foram registrados 57 casos de violência. Já em 2019, os números mostram 71 casos – entre eles, cerca de 39% aconteceram com crianças entre 0 e 11 anos e 25% ocorreram com adolescentes entre 12 e 17 anos.

Os casos de feminicídio também aumentaram na cidade. Em 2018, nenhum caso foi registrado, porém, em 2019, três mulheres foram vítimas do crime. O documento analisou o perfil das vítimas e mostrou que duas das vítimas eram negras e uma era branca, com idades entre 18 e 29 anos e 30 e 59 anos. O crime, como em sua maioria, foi cometido pelo próprio companheiro.

Apesar da cidade não possuir uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), a Delegacia de Maricá (82ª DP) conta com uma sala especial para atender as mulheres vítimas de violência. Nos últimos quatros meses, a distrital realizou a prisão de 26 acusados de cometerem crimes contra mulher.

“Criamos um setor especializado para essas vítimas. É uma sala reservada e o atendimento é realizado por duas policiais femininas. Ainda temos uma parceria com o Ministério Público para conceder medidas protetivas”, explicou o chefe da Delegacia de Maricá (82ª DP), Thiago Lessa.

De acordo com o psicólogo Alan Christi, além das agressões, ainda existe o comportamento machista, já que a mulher ainda está na posição tão assujeitada e tão socialmente desigual.

“Existe uma questão cultural de permanência dessa condição de inferiorização da mulher. Teve uma evolução de direitos, mas ainda existe uma sobrecarga muito agressiva na mulher, nessa relação marital, afetiva, e nela é possível observar alguns agravamentos”, pontua.

O especialista ainda ressalta que apesar da existência de uma lei voltada para mulheres os números continuam aumentando.

“A Lei Maria da Penha é uma tentativa necessária de equidade, mas os gráficos de violência contra mulher só apontam o aumento. Ainda existem os casos que não são denunciados”, explica.

Outros dados observados foram os de casos de violência moral contra mulher, que caíram 6,5% em 2019. Em 2018, foram registrados 456 casos, já em 2019 os dados mostram 426.

De acordo com a Policial Civil de Maricá, as vítimas podem realizar as denúncias através dos telefones: 180, (21) 98596-7269 ou ir direto a uma delegacia.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *