Polícia prende acusados de homicídios por encomenda no Rio

Operação, Polícia Civil, Ação, Polícia, policiais
Dois acusados foram presos. Foto: Pedro Conforte

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) com apoio da Polícia Civil do Estado (PCERJ) e da Polícia Militar (PMRJ), deflagrou, nesta terça-feira (30), a operação Tânatos, numa referência ao ‘Deus da Morte’ na mitologia grega. O objetivo é cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra denunciados de compor organização criminosa conhecida como ‘Escritório do Crime’, que se dedicam a homicídios por encomenda. Duas pessoas já foram presas.

A operação é resultante de três denúncias apresentadas pelo MPRJ, que descrevem os crimes cometidos pelo grupo, que possuía ligação estreita com o conhecido ‘Capitão Adriano’, que exercia forte influência sobre o bando, o qual nutria verdadeira reverência a sua representatividade no submundo do crime.

Adriano foi denunciado pelo MPRJ na operação “Intocáveis”, em 14 de janeiro de 2019, tendo sua prisão decretada. Logo, o ‘capitão’ tornou-se foragido da Justiça e acabou sendo morto por agentes do BOPE em 9 de fevereiro de 2020, durante operação visando sua captura, realizada pela PCERJ e a Polícia Civil da Bahia, na zona rural da cidade de Esplanada, no interior daquele estado.

Numa das denúncias apresentadas, descreve o MPRJ que na atuação do grupo criminoso há emprego ostensivo de armas de fogo de grosso calibre. A agressividade e destreza nas ações finais revelam um padrão de execução. Fortemente armados e com trajes que impedem identificação visual, tais como balaclava e roupas camufladas, os atiradores desembarcam do veículo e progridem até o alvo executando-o sem chances de defesa.

‘Capitão Adriano’ é apontado como mandante do homicídio de Marcelo Diotti da Mata, cuja execução, na noite de 14 de março de 2018, no estacionamento de uma hamburgueria na Barra da Tijuca, ficou a cargo do grupo criminoso agora denunciado. Diotti, que já havia sido preso por homicídio e exploração de máquinas de caça-níqueis, era visto como desafeto por seus executores.

O mesmo grupo criminoso é apontado como autor da tentativa frustrada de execução do PM reformado Anderson Cláudio da Silva (‘Andinho’) e do também PM Natalino dos Santos Rodrigues, em 6 de janeiro de 2018, na Rua Ribeiro de Andrade, em Bangu. O primeiro alvo, no entanto, não foi atingido pelos disparos. O segundo, apesar de baleado, sobreviveu ao ataque. Após essa data, apurou-se que os denunciados, em diferentes dias, se deslocaram a outros endereços vinculados a Anderson, com o intuito de monitorar sua rotina, em busca de obter êxito em uma segunda investida criminosa, que veio a ocorrer em 10 de abril do mesmo ano.

A organização possui estrutura ordenada e voltada, sobretudo, para o planejamento e execução de homicídios encomendados mediante pagamento em dinheiro ou outra vantagem. Nesta hierarquia, o vulgo ‘MAD’ – um dos presos nesta manhã – exerce a chefia sobre os demais, competindo-lhe a negociação, o planejamento, a operacionalização e a coordenação quanto à divisão das tarefas criminosas a serem executadas por seus asseclas, sendo forte braço armado.

Destaca-se ainda a atuação do segundo preso, conhecido como ‘Tonhão’, irmão e homem de confiança de ‘MAD’, que atua como motorista do grupo, tendo ainda como incumbência o levantamento, a vigilância e o monitoramento das vítimas. Outros dois denunciados cumprem funções semelhantes, sendo ainda braços armados: ‘Gago’ e ‘Mugão’, ambos ex-policiais militares.

Foram oferecidas três denúncias, sendo uma junto à 1ª Vara Especializada da Comarca da Capital, tendo sido expedidos mandados de prisão e busca e apreensão por crime de organização criminosa. A segunda, por crimes de homicídios, foi distribuída à 3ª Vara Criminal da Comarca da Capital, onde também foram expedidos mandados de prisão e  de busca e apreensão. A terceira denúncia oferecida foi distribuída junto à 4ª Vara Criminal da Comarca da Capital, tendo como vítima de homicídio Marcelo Diotti da Matta, morto em 14 de março de 2018, na Barra da Tijuca.

Cabe ressaltar que a investigação que originou as denúncias contou com técnicas inovadoras, sobretudo no aspecto de uso de tecnologias, em procedimentos autorizados pela Justiça. As provas que compõem as denúncias resultaram na deflagração da presente operação Tânatos.

Publicada às 8h20

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *