quarta, 21 de outubro de 2020

Três detidos, um baleado e confusão no Preventório em Niterói

Um homem foi baleado e outros três – sendo uma mulher – foram conduzidos à delegacia por policiais militares do Batalhão de Niterói (12° BPM), na tarde desta quinta-feira (27), na comunidade do Preventório, em Charitas, na Zona Sul de Niterói. O ferido foi socorrido e levado ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca.

De acordo com a Polícia Militar, policiais foram à comunidade para uma ação a fim de reprimir o crime organizado. Ainda segundo a PM, durante a tentativa de abordagem a quatro suspeitos, um deles sacou uma pistola e atirou contra os militares, que não revidaram.

A PM ainda informou que nesse ataque, o tiro acabou atingindo um homem, de 44 anos, que estava próximo e seria morador da região. Ele foi alvejado no rosto e pediu socorro aos familiares. Segundo a irmã dele, uma empregada doméstica, de 45 anos, ele chegou em casa todo ensanguentado pedindo ajuda.

“Ele fez café e eu pedi para ele comprar cigarro para mim, umas 13h. Vi que ele estava demorando e fiquei preocupada. De repente ele bateu na porta, cheio de sangue dizendo: ‘balearam eu, irmã’. Ele jorrava sangue”, contou.

Ainda segundo a familiar, a vítima disse que estava sentado na rua conversando quando foi atingido. Moradores levaram o ferido por conta própria até a unidade do Corpo de Bombeiros, que fica próxima da comunidade, que o encaminhou para o hospital. O estado de saúde dele ainda não foi divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde.

Em nota, a Polícia Militar informou que dois suspeitos de integrar o tráfico de drogas no Preventório foram conduzidos para averiguações na Delegacia de Jurujuba (79ª DP). Entorpecentes ainda não contabilizados e um rádio comunicador foram apreendidos na ação.

Confusão

Moradores registraram o momento da retirada da dona
do estabelecimento. Imagens via Grupo Plantão Enfoco

Durante a ação do 12º Batalhão, uma mulher também acabou conduzida à DP. Isso porque, segundo a Polícia, um dos suspeitos teria corrido para dentro de uma lanchonete. Os policiais deram início a perseguição, mas segundo a PM, eles foram impedidos de entrar pela dona do estabelecimento. No entanto, segundo os moradores, a história foi bem diferente.

Inicialmente, a PM informou que a responsável pelo comércio tentou agredir os policiais e precisou ser contida. Porém, de acordo com a mulher, de 37 anos, ela tinha ido à calçada para saber se o entregador, que estava abastecendo o comércio, estava bem após os tiros.

“Teve o tiroteio e todo mundo se escondeu. Quando acabou, eu fui na calçada falar com o entregador para entrar, para que ele não se ferisse também. Nisso, o policial veio gritando dizendo que eu estava escondendo bandido, me chamou de ‘piranha’ e me xingou. Eu sou trabalhadora, não é porque a gente mora na favela, que somos obrigados a ouvir isso”, declarou.

Ainda segundo a comerciante, ele a puxou com truculência e a colocou dentro da viatura, alegando desacato e desobediência. Em um determinado momento, os outros policiais a liberaram do carro, o que deu início da outra confusão. Em um vídeo gravado pelos moradores, é possível ver o militar puxando o cabelo dela e chutando outras pessoas.

“Eu gritei para eles: ‘gente, vocês têm que gravar isso’. Ele me levou presa, eu estou sendo acusada de colaborar com o tráfico de drogas. Eu me sinto impotente, sou acusada de uma coisa que eu não fiz. Fui agredida integralmente e fisicamente”, disse.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

4 thoughts on “Três detidos, um baleado e confusão no Preventório em Niterói

  1. Tem que analizar os vídeos deles batendo nessa mulher.
    Se o marido bater ele é preso pela lei Maria da Penha,aí vem um policial e bate e fica por isso mesmo?
    Covardia

  2. Entraram com truculência sim! Não sou moradora,porém trabalho próximo ao local e conheço a comunidade. A senhora agredida é trabalhadora e não tem nada com o tráfico local, e se houve ¨desacato¨como estão justificando a levassem para a delegacia e não agredi-la e destruir o local de trabalho da mesma.

  3. Exoneração para esses PMs de merda, covardes, imagina o que fazem com as suas lutas em casa….se largar o fuzil viram mariquinhas….

  4. Tem q ver a ficha do servidor, tem q acabar c o cooperetivismo, nós a Sociedade do bem é q sofremos, porque quem paga os salários deles deles; do comandante, presidente, do soldado somos nós mesmos e, n queremos gastar o nosso salário c gente do mal, se do mal q vá p diabo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *