segunda, 23 de novembro de 2020

Bolsonaro autoriza empresas a dispensar trabalhador sem salário

Medida publicada na noite de domingo (22). Foto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro editou na noite de domingo (22) uma medida provisória autorizando alternativas trabalhistas para o período de pandemia de Covid-19. Entre elas, a suspensão dos contratos de trabalho por quatro meses sem salário e encargos trabalhistas.

O acordo pode ser feito individualmente e não depende de convenção coletiva. O pagamento do plano de saúde, no entanto, está mantido. Em contrapartida, o empregador deve fornecer curso de qualificação ao profissional.

As regras valem enquanto vigorar o estado de calamidade pública, autorizado pelo Senado na última semana, e para contratos regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

De acordo com o documento, no período de pandemia os acordos individuais ‘terão preponderância’ sobre as outras normas trabalhistas e acordos coletivos.

Outra medida de destaque da MP é que os casos de contaminação por Covid-19 não serão considerados ocupacionais. A única exceção é a comprovação de nexo causal — ou seja, apenas se o trabalhador provar que há relação direta entre o ofício e a doença.

A medida provisória está valendo e deve ser votada pelo Congresso em até 60 dias, com possibilidade de prorrogação por mais 60 dias. O documento está disponível em edição extra do Diário Oficial da União (DOU). Em breve, o Plantão Enfoco detalhará as demais medidas trabalhistas.

Home office

Os trabalhadores podem ser direcionados para home office independente de previsão em contrato. No entanto, a decisão deve ser comunicada pela empresa em até 48h de antecedência.

Se o empregado não possuir os equipamentos para trabalhar de casa, a lei determina que o empregador ‘poderá fornecer os equipamentos em regime de comodato’. Ou seja, um empréstimo.

A legislação estende as regras de home office aos estagiários e aprendizes.

Férias individuais

Durante o estado de calamidade pública, as empresas podem determinar a antecipação das férias do funcionário. No entanto, as férias devem ser de, no mínimo, cinco dias corridos.

É possível, ainda, negociar a antecipação de férias futuras, através de acordo individual. A prioridade para os dois casos serão trabalhadores do grupo de risco.

Na contramão, profissionais da saúde podem ser convocados a voltar das férias ou licença não remunerada.

Férias coletivas

Ao longo da pandemia, as empresas podem determinar férias coletivas e comunicar a decisão no prazo de 48h. Para acionar a medida, não é mais preciso comunicar ao Ministério da Economia e sindicatos.

Feriados

Os empregadores podem antecipar folgas relativas a feriados federais, estaduais e municipais, exceto feriados religiosos. Nesse caso, deve ser feito acordo individual escrito.

Banco de horas

O trabalhador que folgar pode compensar o banco de horas em até 18 meses. No entanto, a jornada máxima diária permanece em 10 horas.

Saúde e segurança

Durante o estado de calamidade, estarão suspensos os exames médicos ‘ocupacionais, clínicos e compelentares’, com excessão dos demissionais. Os exames serão feitos em até 60 dias depois da pandemia.

Treinamentos de normas de saúde e segurança também estão suspensos, exceto se forem a distância. Se não, devem ser remanejados para até 90 dias após a pandemia.

FGTS

O recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) pode atrasar. As parcelas de março, abril e maio podem ser parceladas a partir de julho.

Jornada de trabalho

Estabelecimentos de saúde podem prorrogar a jornada de trabalho e adotar escalas suplementares, sem penalidade administrativa. As horas extras podem ser pagas com banco de horas em até 18 meses.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

4 thoughts on “Bolsonaro autoriza empresas a dispensar trabalhador sem salário

  1. Eu queria saber se agente que os patrões mandou fica em casa se eles vai pagar o salário

  2. E quem vai pagar as nossas contas. Os mercados vão distribuir alimentação gratuita.

  3. Pra quem trabalha domigo e feriado como os restaurante q nao so paga domigos e feriados no contra cheque e nao tem domigo no mes q e a realidade atual de quem trabalha nessa hora o q faz ja pesou

  4. Se nós trabalhadores seremos dispensados pelo empregador por 4 meses sem salário, como que faremos para sobreviver nessa pandemia e Ness caos sem o nosso salário? Para comer, dar oq de comer para os nossos filhos, pagar aluguel para quem paga, conta de luz e água, como q fica a nossa situação também? Pq essa lei q está querendo ser imposta só está pensando no o empresário e no empregador… E nós trabalhadores e dependemos do nosso salário para sobreviver, manter a nossa família e não temos uma segunda opção? Quero saber? Como vamos ficar? Isso não é justo…lembrando q ninguém tem culpa dq está acontecendo no mundo, agora é mais uma vez desde o seu mandato o Bolsonaro só está pensando em quem tem mais é não em quem tem menos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *