quinta, 21 de janeiro de 2021

MPRJ investiga nomeação de filho de Capitão Nelson para secretaria

SG, prefeitura, prefeito, Capitão, Nelson, política
Prefeito de São Gonçalo nomeou filho para secretaria de Projetos Especiais. Foto: Pedro Conforte

A 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de São Gonçalo vai investigar a nomeação de Douglas Ruas dos Santos, filho do prefeito de São Gonçalo, Capitão Nelson. O novo secretário foi nomeado na última sexta-feira (1º) para chefiar a pasta de Integração e Projetos Especiais na cidade.

O órgão vai apurar se a nomeação do novo secretário está de acordo com o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema. A 2ª promotoria é um braço do Ministério Público do Rio de Janeiro e possui e possui atribuição de apurar casos como esse.

Prática comum

Nomear parentes, de acordo com entendimento do Superior Tribunal Federal (STF) não é ilegal, no entanto, viola o princípio da impessoalidade e da moralidade, preceitos básicos da Administração Pública que estão na Constituição Federal.

Entendimento da Corte sobre a súmula vinculante nº 13 diz que “a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal”.

A prática é recorrente entre políticos e não existe, até o momento, lei que regule ou proíba a indicação de parentes dentro da administração pública.

Em nota a Prefeitura de São Gonçalo justificou a escolha informando que o secretário tem todas as qualificações para o cargo, com formação em Gestão Pública e que o fato de ser filho do prefeito não configura nepotismo, segundo a prefeitura, de acordo com reiteradas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). “Cargos de natureza pública, como o de secretário de Estado ou secretário municipal, não se submetem às hipóteses da Súmula Vinculante 13, que veda a prática do nepotismo na administração pública”.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *